O modelo ACID

O modelo ACID é um dos mais velhos e importantes conceitos da teoria de Banco de Dados. Ele define quatro pontos que todos os SGBD devem ter: atomicidade, consistência, isolamento e durabilidade. Qualquer BD que não atinja algum desses pontos pode ser considerado não confiável.

Vamos analisar cada um desses elementos com um pouco mais de detalhe.

Atomicidade

Estado em que as modificações no BD devem ser todas ou nenhuma feita. Cada transação é dita como “atômica”. Se uma parte desta transação falhar, toda transação falhará. É muito importante que o SGBD mantenha a natureza atômica das transações, diante de qualquer problema, seja do próprio SGBD, sistema operacional ou de hardware. Qualquer ação que constitui falha na unidade de trabalho, a transação deve ser desfeita (rollback). Quando todas as ações são efetuadas com sucesso, a transação pode ser efetivada (commit).

Consistência

Estado que garante que todos os dados serão escritos no BD. Se por alguma razão, uma transação que viole a consistência do BD, toda a transação será dada um “roll back”, desfazendo o que foi feito até aquele ponto, restaurando a consistência do BD. Por outro lado, se uma transação for executada com sucesso, atingirá um novo ponto de consistência.

Isolamento

Requer que múltiplas transações que estejam ocorrendo “ao mesmo tempo”, não interfiram nas outras. Por exemplo, se João realizasse uma transação ao mesmo tempo que Maria, mesmo que diferente, ambas transações devem operar de maneira isolada. O BD deve executar ambas as transações por completo e em fila, prevenindo que a transação do João leia informações parciais produzidas pela transação da Maria. Note que o isolamento em si, não garante quem será realizado primeiro, mas garante que nenhum irá interferir no outro.

Durabilidade

Garante que toda transação cometida (commit) pelo BD não será perdida. A durabilidade é garantida através de backups e logs de transações que facilitam a restauração das transações cometidas, frente ao problemas de hardware ou software que possam ocorrer.

Leia essas regras e aprenda estas características. Se você gastar um tempo para aprendê-las, você notará o quão importante é para o entendimento dos conceitos gerais e funcionamento dos SGBDs.

Sou bacharel em Sistemas de Informação pela Estácio de Sá (Alagoas), especialista em Gestão Estratégica da Tecnologia da Informação pela Univ. Gama Filho (UGF) e pós-graduando em Gestão da Segurança da Informação pela Univ. do Sul de Santa Catarina (UNISUL). Certificações que possuo: CompTIA Security+, EXIN EHF, MCSO, MCRM, ITIL v3. Tenho interesse por todas as áreas da informática, mas em especial em Gestão e Governança de TI, Segurança da Informação, Ethical Hacking e Perícia Forense.

2 Responses to “O modelo ACID”

  1. Gustavo disse:

    Valeu cara, estou no terceiro semestre de ADS, e esse seu post me ajudou muito a fazer meu trabalho. Obrigado. XDD

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Quer ficar atualizado?

Inscreva-se em minha newsletter e seja notificado quando eu publicar novos artigos de graça!