Falta de mão de obra aumenta salários em TI, mostra pesquisa

image_pdfimage_print

Segundo estudo da Page Personnel, remuneração de administrador de banco de dados subiu 88% em 2012 por causa da falta de talentos no País.

A concorrência por profissionais qualificados em tecnologia da informação está inflacionando a folha de pagamento das empresas. É o que mostra o Estudo de Remuneração 2012/2013, realizado pela Page Personnel, especializada em recrutamento. De acordo com o levantamento, as companhias estão gastando mais para contratar ou reter talentos. O salário de um administrador de banco de dados júnior em São Paulo, por exemplo, saltou de 2,5 mil reais no ano passado para 4,7 mil reais neste ano, o que representa aumento de 88%.

“Essa falta de mão de obra qualificada proporciona um enorme poder de barganha salarial aos profissionais que se enquadram no alto nível de exigência das empresas. É um fato novo no País, que trouxe consequências às relações trabalhistas no Brasil. Nos resta saber agora quanto tempo isso pode durar”, explica Gil Van Delft, diretor-geral da Page Personnel.

Para elaborar o estudo, a Page Personnel consultou, em julho deste ano, os informes de rendimentos de 30 mil candidatos de 20 a 30 anos de São Paulo, do Rio de Janeiro e do interior paulista. A partir dessa análise, a consultoria traçou a remuneração mensal fixa de 204 cargos em 11 setores na capital paulista e carioca e no interior de São Paulo.

Os cargos estão listados em faixas salariais que variam de acordo com o conhecimento do profissional (júnior, pleno ou sênior) e porte da empresa (pequena, média ou grande).

O estudo distribui os cargos em 12 áreas, incluindo Tecnologia da Informação, que é o que apresenta cargos com maior aumento percentual na remuneração. Além de destacar o crescimento dos ganhos de administrador de banco de dados, a pesquisa revela alta da remuneração de desenvolvedores/programadores. O salário desses profissionais passou de 6,7 mil reais em 2011 para 7,5 mil reais em 2012.

“Os profissionais de TI estão investindo mais tempo e dinheiro em qualificações técnicas, acadêmicas e cursos de idiomas e certificações, pois sabem que a demanda de oportunidades que buscam aumentou significativamente”, discorre Gil.

Sou bacharel em Sistemas de Informação pela Estácio de Sá (Alagoas), especialista em Gestão Estratégica da Tecnologia da Informação pela Univ. Gama Filho (UGF) e pós-graduando em Gestão da Segurança da Informação pela Univ. do Sul de Santa Catarina (UNISUL). Tenho interesse por todas as áreas da informática, mas em especial em Gestão, Segurança da Informação, Ethical Hacking e Perícia Forense. Sempre disposto a receber sugestões de assuntos para criar uma postagem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Quer ficar atualizado?

Inscreva-se em minha newsletter e seja notificado quando eu publicar novos artigos de graça!