Estrutura redacional nos concursos

image_pdfimage_print

Por Sandra Ceraldi Carrasco

A redação é uma temática muito discutida e deve ser bem trabalhada quando se pensa em concursos. Definir suas modalidades e localizar seus elementos estruturais traduz êxito nas provas.  Então, acompanhe as explicações da especialista  e sucesso em seu concurso!

Modalidades:

  • NARRAÇÃO: conta-se um ou mais fatos, que ocorreram em determinado tempo, lugar, envolvendo certos personagens. Pode a narrativa fazer parte do mundo real ou imaginário.
  • DESCRIÇÃO: apontam-se características que compõem umdeterminado objeto, pessoa, ambiente ou paisagem.
  • DISSERTAÇÃO: exposição de ideias gerais seguidas de apresentação de argumentos que as comprovem.

Estrutura Narrativa

Fato (o que se vai narrar); tempo (quando o fato ocorreu); lugar (onde o fato se deu); personagens (quem participou do ocorrido ou o observou);causa (motivo  que determinou a ocorrência); modo (como se deu o fato); consequências (o que acarretou o fato).

Foco Narrativo

1ª pessoa: o narrador participa da ação e se inclui na narrativa, denominado NARRADOR-PERSONAGEM, utilizam-se verbos e pronomes de 1ª pessoa;

3ª pessoa: o narrador não participa da ação, não se inclui na narrativa, denominado NARRADOR-OBSERVADOR, utilizam-se verbos e pronomes de 3a pessoa.

Discurso são as falas da personagem ou do narrador:

DISCURSO DIRETO: é a fala reproduzida pelo narrador, exatamente como seria dito pelo personagem, ou a própria fala do personagem.

Ex.: “Viva! Agora vamos tratar de comer!

DISCURSO INDIRETO: é a fala da personagem, contada pelo narrador.

Ex.: Entusiasmado, Eugênio disse que estava na hora de comer.

DISCURSO INDIRETO-LIVRE: trata-se de uma forma mista em que a fala do personagem funde-se com o narrador, que transmitirá o pensamento e o sentimento do personagem, que intercala com a narrativa de 3ª pessoa.

Ex.: O ladrão, bem apanhado diga-se de passagem, roubou  todos  os cofres  da loja.

Estrutura descritiva

Nesta modalidade, apontam-se características de determinados elementos, por isso o predomínio no texto descritivo é de adjetivos, predicativos, além de verbos de estado. A descrição objetiva ocorre quando o emissor quer descrever, mas também quer denotar emoção, o enfoque é subjetivo e a linguagem é conotativa, isto é, simbólica. Ex.: O sujeito parecia um carro de boi cruzando com um trem de ferro, entrou soltando fogo pela folga do dente de ouro. A descrição subjetiva, denominada também descrição técnica, obedece à necessidade de representar o ser da maneira objetiva e direta, limitando-se apenas com enumeração dos elementos, sem expressar nenhum juízo de valor. O observador deve relatar o objeto utilizando uma linguagem científica, precisa. Ex.: Ele tem uma armação de madeira, formada por varetas achatadas, unidas entre si por um eixo colocado próximo às extremidades… (guarda-chuva)

Estrutura Dissertativa

TÓPICO FRASAL: vem expresso na introdução e pode ser desenvolvido por meio de diversos processos: o objetivo de quem escreve, o receptor a quem se dirige o texto, o ponto de vista a respeito de determinado assunto, seja o leitor favorável ou contrário, desenvolvendo a afirmativa de forma coerente para que  ela tenha  valor e seja também convincente.

TEMA: é o assunto que será exposto, ou seja, a ideia que será defendida ao longo da exposição. O tema não pode ser confundido com título, que é uma expressão curta e vem sempre sublinhado, colocado na primeira linha da redação.

ARGUMENTOS: são as fundamentações da dissertação, que devem ser retiradas do tema através de perguntas, desenvolvidas e fundamentadas em parágrafos próprios.  Os argumentos sempre justificam a afirmação proposta pelo tema.

CRONOLOGIA DISSERTATIVA:

INTRODUÇÃO: os argumentos são apenas mencionados num primeiro parágrafo, informando o assunto sobre o qual a dissertação vai tratar. Cada argumento é encaixado ao tema, através de conjunções (pois, além do mais, etc.).

DESENVOLVIMENTO: é a explicação lógica dos argumentos apresentados na introdução, em que cada um será desenvolvido em parágrafos próprios.

CONCLUSÃO: é iniciada com uma expressão que remeta ao que foi dito nos parágrafos anteriores (expressão inicial) e a ela deve seguir-se uma reafirmação  do  tema  proposto  no  início  da  redação.

Até o próximo encontro!

Professora Sandra Ceraldi Carrasco, consultora e especialista em Língua Portuguesa, autora de livros e periódicos na área. Há mais de 20 anos ministra cursos e palestras, com índice recorde de aprovação. Seu mais recente trabalho aborda de forma prática o Acordo Ortográfico. Atualmente é coordenadora do curso preparatório IPA. Contato: professora.sandracarrasco@uol.com.br.

Fonte: JC Concursos

Sou bacharel em Sistemas de Informação pela Estácio de Sá (Alagoas), especialista em Gestão Estratégica da Tecnologia da Informação pela Univ. Gama Filho (UGF) e pós-graduando em Gestão da Segurança da Informação pela Univ. do Sul de Santa Catarina (UNISUL). Tenho interesse por todas as áreas da informática, mas em especial em Gestão, Segurança da Informação, Ethical Hacking e Perícia Forense. Sempre disposto a receber sugestões de assuntos para criar uma postagem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Quer ficar atualizado?

Inscreva-se em minha newsletter e seja notificado quando eu publicar novos artigos de graça!