Vagas em TI: quatro exigências das entrevistas de emprego

image_pdfimage_print

O mercado de TI precisa de gente. Essa é uma opinião comum entre as companhias, mas que muitos profissionais que ainda não conseguiram se colocar no mercado discordam. Para tentar entender o que acontece nessa relação o IT Web conversou com João Paulo Camargo, sócio-gerente da Asap, consultoria de recrutamento e seleção de executivos de média gerência, que foi enfático ao explicar que “só currículo não emprega ninguém”.

“Temos uma regra que cada vez mais se torna exigente: formação acadêmica não é garantia, não adianta só isso para conseguir um cargo em uma empresa”, afirmou Camargo. “Energia, vontade e gana lhe fazem ganhar dinheiro.”

O especialista elencou quatro exigências profissionais das empresas, além do currículo:

  1. Postura e comunicação: a pessoa que pensa que porque é profissional técnico não precisa ter relacionamento interpessoal está muito enganada. Atualmente, trabalho em equipe é essencial nas empresas e elas procuram por pessoas que saibam se relacionar;
  2. Conhecimentos gerais: é necessário ler, estar atento ao que ocorre no mundo e antenado nas últimas notícias. As empresas de recrutamento e as companhias fazem perguntas de atualidades nas entrevistas;
  3. Respeito aos horários e preparo: “não adianta chegar com um currículo de Harvard, mas atrasado; todo suado porque correu até chegar para a reunião”, apontou Camargo. Além disso, ele deve estar preparado para responder às questões;
  4. Brilho no olho: as companhias procuram por pessoas que querem agregar. Que procuram trabalho e não um emprego. “Hoje em dia nós somos medidos em resultado e não por hora de atividade.”

“As empresas nos pedem profissionais com postura, maturidade, vontade energia e que chama a responsabilidade para si. Lógico que conhecimento técnico é necessário, mas não é a única exigência”, pontuou.

Por fim, ele alertou que o currículo ajuda na contratação, mas é a postura que vai determinar se o profissional fica ou não na instituição. “É pelo comportamento que o profissional é demitido”, encerrou.

Fonte: IT Web

Sou bacharel em Sistemas de Informação pela Estácio de Sá (Alagoas), especialista em Gestão Estratégica da Tecnologia da Informação pela Univ. Gama Filho (UGF) e pós-graduando em Gestão da Segurança da Informação pela Univ. do Sul de Santa Catarina (UNISUL). Tenho interesse por todas as áreas da informática, mas em especial em Gestão, Segurança da Informação, Ethical Hacking e Perícia Forense. Sempre disposto a receber sugestões de assuntos para criar uma postagem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Quer ficar atualizado?

Inscreva-se em minha newsletter e seja notificado quando eu publicar novos artigos de graça!