Sistema de Gerenciamento de Banco de Dados Distribuídos (SGBDD)

image_pdfimage_print

O Sistema de Gerenciamento de Banco de Dados Distribuídos (SGBDD) controla o armazenamento e processamento de dados relacionados logicamente por meio de sistemas computacionais interconectados através de uma rede, em que tanto os dados como as funções de processamento são distribuídos entre os diversos locais.

Existem dois tipos de banco de dados distribuídos, os homogêneos e os heterogêneos. Os homogêneos são compostos pelos mesmos bancos de dados, já os heterogêneos são aqueles que são compostos por mais de um tipo de banco de dados.

Num banco de dados distribuídos os arquivos podem estar replicados ou fragmentados, esses dois tipos podem ser encontrados ao longo de seus nós. Quando os dados se encontram replicados, existe uma cópia de cada um dos dados em cada nó, tornando as bases iguais (ex: tabela de produtos de uma grande loja). Já na fragmentação, os dados se encontram divididos ao longo do sistema, ou seja a cada nó existe uma base de dados diferente se olharmos de uma forma local, mas se analisarmos de uma forma global os dados são vistos de uma forma única, pois cada nó possui um catálogo que contém cada informação dos dados dos bancos adjacentes.

A replicação dos dados pode se dar de maneira síncrona ou assíncrona. No caso de replicação síncrona, cada transação é dada como concluída quando todos os nós confirmam que a transação local foi bem sucedida. Na replicação assíncrona, o nó principal executa a transação enviando confirmação ao solicitante e então encaminha a transação aos demais nós.

Vantagens

  • Os dados ficam localizados próximos aos locais de maior demanda – Os dados ficam dispersos para atender a necessidade comercial;
  • Maior rapidez de acesso aos dados – Os usuários finais costumam trabalhar apenas com um sub-conjunto dos dados da empresa, armazenado localmente;
  • Maior rapidez de processamento de dados – Um SGBDD divide a carga de trabalho do sistema, processando dados em vários locais;
  • Facilidade de ampliação – É possível adicionar novos locais à rede sem afetar as operações de outros locais;
  • Aprimoramento das comunicações – Como os sites locais são menores e mais próximos dos clientes, promovem melhor comunicação entre os departamentos e entre os clientes e a equipe da empresa;
  • Custos operacionais reduzidos – Do ponto de vista dos custos, é mais eficiente adicionar estações de trabalho a uma rede do que atualizar um sistema de mainframe. O trabalho de desenvolvimento é feito de modo mais rápido e barato em PCs de baixo custo do que em mainframes;
  • Interface amigável – Os PCs e as estações de trabalho costumam ser equipados com interface gráfica de usuário (GUI) fácil de usar. A GUI simplifica o treinamento e a utilização dos usuários finais;
  • Menor risco de falha em ponto único – Quando um componente dos computadores falha, o trabalho é mantido por outras estações. Os dados também são distribuídos em vários locais;
  • Independência de processador – O usuário final é capaz de acessar todas as copias disponíveis dos dados e suas solicitações são processadas por qualquer processador no local dos dados.

Desvantagens

  • Complexidade de gerenciamento e controle – As aplicações devem reconhecer a localização dos dados e ter a capacidade de integrá-los a partir de vários locais. É necessário que os administradores tenham a capacidade de coordenar as atividades do BD, evitando sua degradação em função de anomalias;
  • Dificuldade tecnológica – É necessário tratar e solucionar a integridade de dados, o gerenciamento de transações, o controle de concorrência, o backup, a recuperação, a otimização de consultas, a seleção do caminho de acesso, etc;
  • Segurança – A probabilidade de falhas de segurança aumenta quando os dados são armazenados em vários locais. A responsabilidade do gerenciamento dos dados será compartilhada por diferentes pessoas em diversos locais;
  • Falta de padrões – Não há protocolos de comunicação padronizado no nível de BD. (Embora o TCP/IP seja, na prática, um padrão no nível de rede, não há padronização no nível de aplicação). Por exemplo, diferentes fornecedores de BD empregam técnicas diferentes e geralmente incompatíveis de gerenciamento da distribuição de dados e processamento no ambiente de SGBDD;
  • Ampliação das necessidades de armazenamento e infraestrutura – São necessárias várias cópias de dados em diferentes locais, exigindo, assim, espaço adicional de armazenamento em disco;
  • Aumento de custos com treinamento – Os custos com treinamento costumam ser mais elevados em modelos distribuídos do que em centralizados, às vezes a ponto de compensar as economias operacionais de hardware;
  • Custos – Os BDD exigem uma infraestrutura duplicada para operar (localização física, ambiente, pessoal, software, licenciamento, etc).

Cuidados com banco de dados distribuídos devem ser tomados para assegurar o seguinte:

  • A distribuição é transparente — Usuários devem poder interagir com o sistema como se ele fosse um único sistema lógico. Isso se aplica ao desempenho do sistema, métodos de acesso, entre outras coisas.
  • Transações são transparentes — Cada transação deve manter a integridade do banco de dados dentre os múltiplos bancos de dados. Transações devem também ser divididas em subtransações, cada subtransação afetando um sistema de banco de dados.

Sou bacharel em Sistemas de Informação pela Estácio de Sá (Alagoas), especialista em Gestão Estratégica da Tecnologia da Informação pela Univ. Gama Filho (UGF) e pós-graduando em Gestão da Segurança da Informação pela Univ. do Sul de Santa Catarina (UNISUL). Tenho interesse por todas as áreas da informática, mas em especial em Gestão, Segurança da Informação, Ethical Hacking e Perícia Forense. Sempre disposto a receber sugestões de assuntos para criar uma postagem.

6 Responses to “Sistema de Gerenciamento de Banco de Dados Distribuídos (SGBDD)”

  1. João Batista disse:

    Olá, você poderia me ajudar a esmiuçar um artigo científico nessa área do conhecimento, migração de dados em banco de dados heterogêneos? E-mail-joaotorresneto2014@gmail.com

  2. Matheus Moura disse:

    Por acaso você tem algum material sobre banco de dados distribuídos que possa estar disponibilizando?

  3. amarildonaffilo disse:

    Carissimo Diego Gostava que me explicasses melhor sobre SGBBB qual e a sua maior vantagem em relação a Base de Dados Físicos, e também porque e que os Sistemas de Base de Dados distribuídos Homologeneos oferece a mesmas interface aos usuários??

  4. dario disse:

    Explicou os conceitos de BDD mais não deu nenhum exemplo de SGBDs diferentes é muito fácil explicar isso ou aquilo, mais mostrar um exemplo prático que é o negocio, ai faz o internauta perder tempo com coisa que sabe.

    • Diego Macêdo disse:

      Caro Dario, a minha intenção aqui é explicar os conceitos básicos sobre o assunto, assim como vantagens e desvantagens para auxiliar os estudantes da área de informática e interessados. Desculpa se o meu texto não atendeu às suas expectativas e nível intelectual, mas eu tento ajudar aos que tem pouco conhecimento no assunto trazendo textos de fácil entendimento. Ainda assim, acredito que toda forma de conhecimento é válida e não seja “perda de tempo”. Fico feliz que você já domine muito bem o assunto ao ponto de dizer que você perdeu seu tempo aqui no blog com coisa que você já sabe. Parabéns e continue sendo estudioso assim, mas aprenda a ser mais humilde e fazer críticas construtivas às pessoas que tem a sensibilidade de parar para criar textos explicativos desta forma para ajudar outros.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Quer ficar atualizado?

Inscreva-se em minha newsletter e seja notificado quando eu publicar novos artigos de graça!