Java é atualizado, mas ainda é ameaça à segurança dos usuários

image_pdfimage_print

As novas configurações de segurança do Java, projetadas para bloquear ataques drive-by download do navegador, podem ser contornadas por crackers, disse um pesquisador no domingo (27/1). Vale lembrar que ataques desse tipo instalam automaticamente malwares nas máquinas de usuários que visitam sites comprometidos.

A notícia veio na sequência de várias e embaraçosas vulnerabilidades 0-day, e do recente compromisso assumido pelo chefe de segurança do Java de que a sua equipe corrigiria os bugs no software.

As configurações de segurança do Java que podem ser contornadas foram introduzidas no mês passado, com o Java 7 Update 11. Essas disposições permitem que os usuários decidam quais applets podem ser executados dentro dos navegadores. A mais rigorosa das quatro configurações supostamente bloqueia qualquer applet não-assinado com um certificado digital válido.

Outras restrições aprovam livremente a maioria dos applets não-assinados, executam applets não-assinados somente se o próprio Java estiver atualizado, ou exibem um aviso antes que applets não-assinados sejam executados.

Mas, de acordo com CEO da Security Explorations Adam Gowdiak, nenhuma dessas configurações chega a atrapalhar um cracker. “O que descobrimos é que o código Java não-assinado pode ser executado com sucesso em um sistema-alvo Windows, independente do nível de segurança definido pelo usuário no Painel de Controle do Java”, escreveu o especialista em um post no domingo (27/1), na lista de discussão Bugtraq. “O ‘alto’ ou ‘muito alto’ não importa muito aqui. Ainda assim o código será executado.”

Seguro, mas nem tanto

Depois de identificar a vulnerabilidade e criar um exploit prova dea conceito que funciou no Java 7 Update 11 (a versão lançada há duas semanas) rodando em Windows 7, Gowdiak reportou o bug para a Oracle.

Sua descoberta torna discutível – pelo menos em teoria – a última alteração de segurança da Oracle. Quando liberou a atualização de emergência em 13 de janeiro para anular duas vulnerabilidades críticas do plug-in do Java, incluindo uma que foi ativamente explorada por cibercriminosos, a Oracle também redefiniu automaticamente o Java para o nível de segurança “Alto”. Nessa configuração, o software notifica os usuários antes que eles possam executar applets não-assinados.

Embora não haja evidências de que crackers estejam explorando essa nova vulnerabilidade, Gowdiak deu a entender que não seria difícil para eles o fazerem. “Ela deve ser considerada”, disse Gowdiak. “Estamos realmente surpresos ao descobrir o quão trivial é contornar essas novas configurações de segurança.”

Os cibercriminosos intensificaram seus ataques contra o Java e o seu plug-in, e algumas empresas de segurança estimam que eles sejam responsáveis ??por mais de metade de todas as tentativas de explorações. Na maioria das vezes, exploits Java são utilizados para realizar ataques drive-by download.

Gowdiak publicou sua reivindicação poucos dias depois de a Oracle lançar uma gravação de uma conferência entre os líderes do grupo de usuários Java e o principal gerente sênior de produto, Milton Smith, responsável por supervisionar a segurança do software. Eles discutiram as recentes vulnerabilidades e o caminho que a Oracle estava tomando.

Durante a chamada, Smith explicou os aperfeiçoamentos de segurança para o Java 7, incluindo a introdução das configurações do Update 10 e a mudança do padrão de “médio” para “alto” do Update 11. “As mudanças efetivamente fazem com que applets não-assinados não sejam executados sem um aviso”, disse Smith. “Algumas das coisas que estávamos vendo eram feitos silenciosos, onde as pessoas clicam em um link dentro de um e-mail e sem querer comprometem a máquina. Mas agora, essas características realmente impedem isso. Mesmo que o Java tenha um exploit, seria muito difícil atacar em silêncio.”

Mas, de acordo com Gowdiak, não é bem assim que acontece. “As melhorias de segurança feitas recentemente para o Java 7 de jeito nenhum impedem ataques silenciosos”, escreveu o especialista no Bugtraq.

Quando questionado sobre como os usuários que necessitam executar o Java em seu navegador devem se proteger, Gowdiak sugeriu que eles migrassem para um navegador com “click-to-play” – um recurso que obriga os usuários a autorizar explicitamente a execução de um plug-in. Tanto o Chrome quanto o Firefox incluem o click-to-play. “Isso pode ajudar a prevenir a exploração automática e silenciosa de vulnerabilidades conhecidas e ainda não corrigidas do plug-in do Java”, disse Gowdiak.

Java é atualizado, mas ainda é ameaça à segurança dos usuários – Segurança – COMPUTERWORLD.

Sou bacharel em Sistemas de Informação pela Estácio de Sá (Alagoas), especialista em Gestão Estratégica da Tecnologia da Informação pela Univ. Gama Filho (UGF) e pós-graduando em Gestão da Segurança da Informação pela Univ. do Sul de Santa Catarina (UNISUL). Tenho interesse por todas as áreas da informática, mas em especial em Gestão, Segurança da Informação, Ethical Hacking e Perícia Forense. Sempre disposto a receber sugestões de assuntos para criar uma postagem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Quer ficar atualizado?

Inscreva-se em minha newsletter e seja notificado quando eu publicar novos artigos de graça!