Inovação: HDs cheios de Hélio prometem muito mais capacidade

image_pdfimage_print

Há mais de 50 anos, os HDs são cheios de ar. Mas isso vai mudar. A Western Digital está preparando o lançamento de uma linha de HDs cheios de Hélio, o que segundo a empresa irá reduzir drasticamente a fricção interna e o consumo de energia, ao mesmo tempo em que proporcionará um aumento de 40% na capacidade.

Projetados para uso em Data Centers, os discos de 3.5 polegadas foram desenvolvidos por uma subsidiária da Western Digital, a Hitachi Global Storage Technologies (HGST), e devem estar disponíveis no início do próximo ano. Os discos são hermeticamente selados e preenchidos com Hélio, que tem um sétimo da densidade do ar. Segundo Brendan Collins, VP de Marketing de Produto da HGST, isso reduz o arrasto sobre os pratos que compõem o disco, e o selo mantém a umidade e outros contaminantes do lado de fora. Com menor arrasto, e consequentemente menor atrito, os discos podem operar a temperaturas de cinco a sete graus menores do que os atuais discos de 7200 RPM, e também sob condições ambientais mais severas, adiciona Collins.

“A indústria passou os últimos 10 anos tentando fazer isso funcionar. Tentando se certificar de que o gás não vaze, e que os discos possam ser produzidos de forma eficiente e em grande volume. Essa é a chave de nossa tecnologia proprietária”, diz o executivo.

Collins chamou o anúncio da HGST de uma “plataforma tecnológica”, e não de produto. Os discos preenchidos com Hélio baseados na nova tecnologia serão usados em sistemas de computação em nuvem e data centers corporativos.

“Acreditamos que esta tecnologia ainda estará em uso nos próximos 10 anos, e que será a fundação para o armazenamento “na nuvem” em um data center”, disse Collins.

Os discos preenchidos com Hélio também permitirão que a HGST aumente a quantidade de pratos em um HD de cinco para sete. E ao mesmo tempo a tecnologia permite aumentar a densidade, ou número de trilhas por cada polegada quadrada, de cada prato. A HGST também espera usar combinar sua plataforma com novas tecnologias para discos de alta capacidade, a Heat Assisted Magnetic Recording (HAMR) e a Shingled Magnetic Recording (SMR). Ambas só entrarão em produção em cerca de dois anos, informou Collins.

“Estou realmente interessado em ver como a pessoas reagirão aos discos preenchidos com Hélio”, disse John Rydning, um analista do IDC. “Não acho que as pessoas tenham consciência de que essa tecnologia está em desenvolvimento há tanto tempo”.

Discos atuais da HGST para Data Centers oferecem capacidade de até 4 TB, com cinco pratos internos. Embora a empresa não tenha afirmado qual será a capacidade dos novos discos, ela pode chegar a 5.6 TB de acordo com as estimativas de um aumento de 40% em comparação com as tecnologias atuais.

Limitações atuais

Todos os atuais fabricantes de HDs estão chegando a um limite na capacidade de armazenamento devido à vibração nos pratos, que ocorre quando eles atingem milhares de rotações por minuto.

O movimento causa turbulência no ar dentro do disco, o que prejudica a capacidade da cabeça de leitura e gravação de acompanhar as trilhas onde são gravados os dados. O fenômeno é conhecido como “Trilha fora de registro” (TMR – Track Misregistration), e é amplificado à medida em que as trilhas ficam cada vez mais próximas.

Por exemplo, uma década atrás a tecnologia permitia um máximo de 100 mil trilhas por polegada no prato de um HD. A tecnologia atual nos permite colocar até 500 mil trilhas por polegada, diz Rydning. “É nesse ponto que fica difícil manter a cabeça alinhada com a trilha”, completa.

Mas ao usar Hélio a HGST eliminou a turbulência interna nos discos, evitando assim o problema com TMR. Assim, é possível usar pratos mais finos. A empresa afirma que os novos discos preenchidos com Hélio terão sete pratos, com peso por terabyte 29% menor do que os atuais discos de cinco pratos. Em outras palavras, um disco com Hélio e sete pratos pesará 690 gramas, o mesmo que os atuais discos de cinco pratos.

Reduzir o arrasto sobre os pratos também permitirá que os discos consumam 23% menos energia para movimentá-los. Um HD atual com cinco pratos consome 6.9 Watts quando em repouso, mas os novos discos de sete pratos com Hélio consomem apenas 5.3 Watts. Eles também terão um custo por gigabyte “50% menor” do que discos de 2.5 polegadas com quatro pratos, disse Collins.

Além do custo menor por unidade, os discos de maior capacidade significam que serão necessários menos servidores para oferecer a mesma capacidade em um data center. Por exemplo, para servir um Petabyte de dados hoje são necessários 20 servidores usando discos de 4 TB com cinco pratos cada. Mas segundo Collins, usando discos de sete pratos, a mesma quantidade de dados pode ser entregue com apenas 14 servidores.

Fonte:IDG Now!

Sou bacharel em Sistemas de Informação pela Estácio de Sá (Alagoas), especialista em Gestão Estratégica da Tecnologia da Informação pela Univ. Gama Filho (UGF) e pós-graduando em Gestão da Segurança da Informação pela Univ. do Sul de Santa Catarina (UNISUL). Tenho interesse por todas as áreas da informática, mas em especial em Gestão, Segurança da Informação, Ethical Hacking e Perícia Forense. Sempre disposto a receber sugestões de assuntos para criar uma postagem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Quer ficar atualizado?

Inscreva-se em minha newsletter e seja notificado quando eu publicar novos artigos de graça!