Faltam DBAs bem qualificados, diz especialista

São Paulo – Os profissionais que administram bancos de dados (DBAs) estão em falta no Brasil. A conclusão é das empresas e especialistas que recrutam esses profissionais no país. E a justificativa dos empregadores é que a demanda está em alta e a oferta de profissionais qualificados ainda é baixa.

Segundo Edson França, coordenador do curso de Banco de Dados da BandTec (faculdade de TI do Colégio Bandeirantes, em São Paulo), este cenário é preocupante uma vez que é cada vez maior a necessidade das empresas em armazenar digitalmente seus dados. “Esta realidade atinge praticamente todas as corporações”, diz França.

“Todo setor de TI está em crescimento, mas nas áreas de segurança e armazenamento de dados essa demanda é percebida com mais força. São tendências influenciadas pela disseminação da computação em nuvem, que armazena os dados em data centers e não mais dentro das empresas”, diz França.

Além disso, a procura por este tipo de profissional, diz o especialista, é motivada pela necessidade de uma maior segurança e disponibilidade desses dados.

Um estudo da consultoria Robert Half aponta que um dos motivos da valorização dos profissionais brasileiros de DBA é maior demanda por bancos de dados em segmentos da economia como finanças, indústria e serviços.

Ainda de acordo com a consultoria, os talentos mais reconhecidos nas empresas são os que possuem perfis mais seniores e que, além de conhecimentos técnicos, sabem transformar tecnologia em negócios.

De acordo com o estudo, ser responsável pelo funcionamento de todos os dados de um data center é uma atividade que exige muita experiência, o que torna o profissional bem qualificado altamente disputado.

A pouca oferta de mão de obra qualificada afeta diretamente o salário destes profissionais. Um gerente de administração de banco de dados recebe, em média, 9 mil reais a cada mês, de acordo com a Pesquisa Salarial e de Benefícios da Catho Online. Já os coordenadores, supervisores ou chefes de administração de banco de dados ganham cerca de 8 mil reais mensais.

Esta média salarial abrange os profissionais que atuam no Brasil e pode variar de acordo com a região de atuação. Segundo a Catho, mais de 260 mil profissionais em 4 mil cidades de todo o país participaram do estudo.

Segundo França, dificilmente um profissional recém-formado ganhará um salário com as quantias acima. “Para administrar um banco de dados de uma instituição financeira, por exemplo, é necessário possuir muitos anos de experiência na área. Qualquer erro pode ser fatal para um banco ou empresa de telecomunicações. Não é só obter um diploma, conseguir um emprego e ganhar um bom salário”, diz o especialista. De acordo com França, os iniciantes ganham, em média, cerca de 3 mil reais mensais.

Para ultrapassar a remuneração mensal de R$ 11 mil reais mensais, o profissional deve ter graduação em curso superior e ser capacitado para projetar modelos de dados, criar e manter objetos de um banco de dados e possuir conhecimentos avançados no uso da Linguagem SQL.

O mercado também requer dos candidatos um forte conhecimento em programação e capacidade de monitorar o desempenho da plataforma, segundo o coordenador.

Fonte: INFO

Sou bacharel em Sistemas de Informação pela Estácio de Sá (Alagoas), especialista em Gestão Estratégica da Tecnologia da Informação pela Univ. Gama Filho (UGF) e pós-graduando em Gestão da Segurança da Informação pela Univ. do Sul de Santa Catarina (UNISUL). Certificações que possuo: CompTIA Security+, EXIN EHF, MCSO, MCRM, ITIL v3. Tenho interesse por todas as áreas da informática, mas em especial em Gestão e Governança de TI, Segurança da Informação, Ethical Hacking e Perícia Forense.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Quer ficar atualizado?

Inscreva-se em minha newsletter e seja notificado quando eu publicar novos artigos de graça!