Crase

image_pdfimage_print

Crase não é acento, e sim superposição de dois “as”. O primeiro é uma preposição, o segundo, pode ser um artigo definido, um pronome demonstrativo a(as) ou aquele(a/s), e aquilo.

O acento que marca este fenômeno é o grave (`).

Vejamos algumas de suas ocorrências básicas abaixo:

  1. Junção da preposição “a” com o artigo definido feminino “a”
    Ele está vinculado à escola.
  2. Em locuções femininas
    à frente de; à esquerda de; à direita de; à medida que; às vezes; à noite; à moda, entre outras.

Casos proibitivos

  1. Quando o “a” estiver antes de palavra no plural, pois ele será apenas uma preposição.
    Ex.: “Ele foi fiel às leis antigas
    Veja que quem é fiel, é fiel “a” alguém ou alguma coisa. Sendo assim ele rege a preposição “a”. Neste exemplo estamos utilizando a crase, pois “leis antigas” está no plural e teremos o artigo “as”. Logo, teremos a junção da preposição “a” com o artigo definido “as”)
  2. Não se utiliza crase antes de artigo indefinido.
    Ex.: um, uma, uns, umas, qualquer, cada, toda, ninguém, alguém, nada, tudo, quem, alguma, nenhuma.
  3. Não se utiliza crase antes de pronomes pessoais.
    Ex.: “Nada direi a ela.”
    São os pronomes: “me, te, se, o, a, lhe, nos, vos, se, os, as, lhes, mim, ti, si, ele, ela, nós, vós, si, eles, elas, etc.”
  4. Não se utiliza crase antes de pronomes de tratamento. *Exceção quando for “senhora, dona, senhorita”.
    Ex.: “Enviei uma mensagem a Vossa Majestade.
    *”Enviei uma mensagem à senhora.
  5. Não se utiliza crase antes de pronomes indefinidos.
    Ex.: “Permiti apenas a uma mulher conhecer-me.”
  6. Não se utiliza crase antes de pronomes demonstrativo.Ex.: “Referi-me a esta roupa.”
    São os pronomes: este(s), esta(s), esse(s), essa(s). 
  7. Antes de palavras masculinas.
    Ex.: “Gosto muito de andar a pé.”
  8. Antes do infinitivo.
    Ex.: “A seguir, ouviremosa leitura da ata desta assembléia.
  9. Diante de palavras repetidas.
    Ex.: “cara a cara; frente a frente; etc

Casos facultativos

  1. Antes de nome próprio feminino. *Exceção em nomes de personalidade pública – sem artigo.
    Ex.: Referia-me a/à Maria.
  2. Antes de pronome adjetivo possessivo feminino.
  3. Ex.: “Pediu informações a/à minha secretária.”

  4. Depois da preposição “até”.
    Ex.: “Andei até a/à residência dele.”

Casos particulares

  1. Quando a palavra “casa” é empregada no sentido de “lar” e não vem determinada por nenhum adjunto adnominal, não ocorre a crase.
    Ex.: “Regressaram a casa para almoçar.”
    “Regressaram à casa de seus pais.
  2. Quando a palavra “terra” for utilizada para designar “chão firme”, não ocorre crase.
    Ex.: “Regressaram a terra depois de muitos dias.”
    “Regressaram à terra natal.
  3. Pronomes demonstrativos: aquele(s), aquela(s), aquilo. Se o tempo que antecede um desse pronomes demonstrativos reger a preposição a, vai ocorrer a crase.
    Ex.: “Ele se referiu àquela casa.”
  4. A zero hora.
    Ex.: “Ele trabalha da zero hora às duas horas.”
  5. Quando houver horas determinada.
    Ex.: “Da uma às oito horas.” (hora determinada)
    “Vamos nos encontrar a uma hora dessas.” (hora indeterminada)
    “Vamos nos encontrar à uma hora.” (hora determinada = 13h)
    “Estamos a uma hora do litoral” (sentido de tempo de distância não usa crase – 60 minutos)
  6. Na expressão “à moda de”, mesmo que a palavra “moda” venha oculta:
    Ex.: “Usam sapatos à (moda de) Luís XV.”

Dicas

  1. Antes de topônimos de cidades que não admitem “a”, basta lembrar do seguinte: “Ir à e voltar da, crase há! Ir a e voltar de, crase para quê?”
    Ex.: “Vou à Islândia. / Vim da Islândia.
    Vou a Cuba. / Vim de Cuba.
  2. Método da Troca – Fazemos a troca do “a” por uma preposição para verificar se ela realmente existe na frase.
    Podem ser as preposições: para a; da; na; pela; com a.
    Se couber uma destas preposições, haverá crase.

    Ex.: “Falei à aluna. / Falei para a aluna.
    Falei a essa aluna. / Falei com a essa aluna.
  3. Método da Troca 2 – Troca-se por um sinônimo masculino. “à” (feminino) X “ao” (masculino).
    Ex.: “Ele foi fiel à lei. / Ele foi fiel ao decreto.
    Ele se referiu à mesma mulher / Ele se referiu ao mesmo homem.
    Ele nunca se referiu a mulher alguma. / Ele nunca se referiu a homem algum.

Sou bacharel em Sistemas de Informação pela Estácio de Sá (Alagoas), especialista em Gestão Estratégica da Tecnologia da Informação pela Univ. Gama Filho (UGF) e pós-graduando em Gestão da Segurança da Informação pela Univ. do Sul de Santa Catarina (UNISUL). Tenho interesse por todas as áreas da informática, mas em especial em Gestão, Segurança da Informação, Ethical Hacking e Perícia Forense. Sempre disposto a receber sugestões de assuntos para criar uma postagem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Quer ficar atualizado?

Inscreva-se em minha newsletter e seja notificado quando eu publicar novos artigos de graça!