Redes de Computadores

Atacando redes wifi com Aircrack-ng protegidas com criptografia WPA e WPA2

Vimos na postagem anterior como a criptografia WEP é fraca e podemos quebrar a criptografia, obtendo a chave de proteção com o Aircrack-ng.

Nesta postagem iremos ver como fazer para entrar em uma rede protegida com WPA e WPA2.

Wi-Fi Protected Access (WAP)

Assim que a fraqueza do WEP veio à tona, um sistema de segurança wireless mais robusto foi necessário e foi desenvolvido para trocar o WEP, o que ultimamente veio se tornar WPA2. Entretanto, a criação de um sistema criptográfico seguro para wireless levou tempo e neste meio tempo, mais segurança foi necessária para ser compatível com o hardware utilizado. Então, Wi-Fi Protected Access (WPA), também conhecido como Temporal Key Integrity Protocol (TKIP), nasceu.

WPA usa o mesmo algoritmo que o WEP (RC4), mas procura endereçara fraqueza do WEP adicionando aleatoriedade na keystream aos IVs e integridade para o ICV. Diferente do WEP, o qual usa uma chave de 40 ou 104 bits combinado com IVs fracas para cada pacote, WPA gera uma chave de 148 bits para cada pacote garantindo que cada um deles seja criptografado com uam keystream única. (mais…)

Atacando redes wifi com Aircrack-ng protegidas com criptografia WEP

Muitos roteadores vem com um método de criptografia padrão chamado Wired Equivalent Privacy (WEP). Um problema fundamental com o WEP é uma falha no algoritmo, o qual é possível um atacante recuperar qualquer chave WEP. WEP usa a cifra de fluxo Rivest Cipher 4 (RC4) e uma pre-shared key. Qualquer um que queira se conectar à rede pode usa a mesma chave, composta de uma string de dígitos hexadecimais, tanto para criptografar quanto para descriptografar. Os dados em texto claro (não criptografados) passam por uma operação de OU-Exclusivo (XOR) bit a bit de fluxo com uma chave para criar um texto cifrado.

A operaçõe tem quatro possibilidade:

  • 0 XOR 0 = 0
  • 1 XOR 0 = 1
  • 0 XOR 1 = 1
  • 1 XOR 1 = 0

Os zero e um em um fluxo de dados pode representar qualquer dado sendo enviad através da rede. Veja um exemplo de texto claro sendo cifrado com XOR e uma chave para criar um texto cifrado: (mais…)

Protocolo HTTP: Estrutura, solicitações, respostas, métodos e códigos de status

Hypertext transfer protocol (HTTP) é o protocolo de comunicações usado para acessar a World Wide Web e por todos os aplicativos da web de hoje. É um protocolo simples que foi originalmente desenvolvido para a recuperação de recursos estáticos baseado em texto. Desde então, foi ampliado e alavancado em várias maneiras para apoiar as complexas aplicações distribuídas que são agora comuns.

HTTP usa um modelo baseado na mensagem em que um cliente envia uma mensagem de solicitação e o servidor retorna uma mensagem de resposta. O protocolo é essencialmente sem conexão (connectionless): embora HTTP usa o protocolo TCP stateful como o seu mecanismo de transporte, cada troca de solicitação e resposta é uma transação autônoma e pode usar uma conexão TCP diferente. (mais…)

Introdução ao Wireshark: Detecção e captura de tráfego em redes

A captura de tráfego em redes pode trazer informações úteis de outras máquinas conectadas nela. Em um pentest interno, podemos simular uma ameaça interna ou um atacante que tenha descoberto uma brecha no perímetro, capturando o tráfego de outros sistemas na rede e pode nos dar informações adicionais interessantes (inclusive usuários e senhas) que podem nos ajudar na fase de exploração. O problema de capturar o tráfego é a quantidade de dados que pode ser produzido. Pouco tempo de captura em uma rede pode inundar o Wireshark com dados que tornam difícil a vida do pentester em descobrir o que realmente é útil. Veremos a seguir como manipular uma rede para pegar acesso ao tráfego que não conseguimos ver. (mais…)

Mapa Mental de Redes e Segurança da Informação – Scanner Nmap

Mapa Mental de Redes e Segurança da Informação – Scanner Nmap (mais…)

Escaneando portas com Nmap

Nmap é uma ferramenta muito conhecida pelo o que faz: port scanning. Seu manual pode ser um pouco assustador devido aos diversos comandos e a capacidade que esta ferramenta tem de trazer informações sobre um host.

Firewalls com sistemas de detecção e prevenção de intrusão podem identificar os pacotes enviados por ele, sendo assim você não conseguirá obter muitos resultados. Você pode ser contratado para fazer um pentest em um range de hosts e não conseguir identificar nenhuma máquina online, e isto provavelmente será porque você está sendo bloqueado por um firewall. Por outro laod, o resultado de seu escaneamento acusará que as máquinas estão respondendo e achará diversas portas abertas. (mais…)

Novos padrões de redes sem-fio muito mais velozes pecam em alcance

Prepare-se para um inacreditável salto no desempenho das redes sem fio. Dois grupos estão competindo para lançar equipamentos que são pelo menos sete vezes mais rápidos que os atuais roteadores Gigabitbaseados no padrão 802.11ac. Aproveitando uma faixa de frequência não licenciada de 60 GHz, estes aparelhos serão capazes de oferecer largura de banda superior à de uma conexão através de um cabo USB 3.0.

A disputa traz memórias da guerra entre o VHS e o Betamax (quem se lembra?), com uma exceção: um dos lados já está oferecendo produtos há mais de um ano, enquanto o outro não irá fazer isso até o ano que vem. E embora as duas tecnologias possam coexistir, acredito que apenas uma irá prevalecer. (mais…)

Apostilas segurança de redes de computadores

As mais de 50 apostilas a seguir são resultado de colaboração, e disponibilizadas para download gratuito na web. O tema dos materiais é segurança de redes de computadores.

Os conteúdos abrangem, entre ouros temas, os listados a seguir: (mais…)

Material gratuito de redes de computadores disponível para download

Hoje é dia de divulgar mais um material gratuito de excelente qualidade disponível em um espaço que já foi citado aqui: o site Projetoderedes.

As mais de 70 apostilas a seguir são resultado de colaboração, e disponibilizadas para download gratuito na web. O tema dos materiais é Tecnologias de redes.

O material pode ser útil para quem deseja um contato inicial com os temas ou mesmo para quem se prepara para concursos públicos. (mais…)

Malware usa smartphone Android para infectar o PC e gravar conversas

A empresa de segurança Kaspersky Lab identificou o primeiro aplicativo malicioso para Android já visto que parece ser projetado não para atacar o smartphone em si, mas sim qualquer PC que seja posteriormente conectado a ele.

Descoberto no Google Play (sim, a loja online hospeda malwares, apesar das tentativas da gigante de limpá-la), o código arbitrário tem como alvo pessoas que falam russo; e se disfarça como um utilitário para limpeza de memória do smartphone. Ao baixar o app, as vítimas acabam com três arquivos malware em qualquer cartão SD conectado a seus smartphones.

Qualquer PC que se conecta ao celular no modo emulação USB (que identifica os celulares como se fossem unidades de disco externas) e velho o bastante para impedir o Autorun do Windows, acabará atingido pelo Backdoor.MSIL.Ssucl.a.

Essa é uma nova forma de ataque a PCs, mas por que um engenheiro de malware faria isso?

Estranhamente, o primeiro propósito do código é gravar qualquer áudio detectado pelo microfone embutido da máquina, salvando-o em um arquivo que, então, é enviado a um servidor em um formato criptografado.

O malware também tem acesso total ao smartphone, mas essa pode ser uma atividade secundária.

“Genericamente falando, salvar o autorun.inf e um arquivo PE em um flash drive é uma das formas mais simples de distribuir malwares”, afirmou o pesquisador da Kaspersky Lab, Victor Chebyshev. “Ao mesmo tempo, fazendo isso por meio de um smartphone e, então, esperando por uma conexão com o PC é um vetor de ataque completamente novo.”

A dependência do Autorun fortemente sugere que o malware estava deliberadamente procurando por vítimas que executam versões do Windows anteriores ao 7 – uma população em declínio em países como o Reino Unido e EUA, mas ainda notável em ex-repúblicas soviéticas.

O Google removeu os dois aplicativos associados ao ataque da loja online, mas não antes deles serem baixados por milhares de usuários.

Malware usa smartphone Android para infectar o PC e gravar conversas – Mobilidade – IDG Now!.

Quer ficar atualizado?

Inscreva-se em minha newsletter e seja notificado quando eu publicar novos artigos de graça!