Redes de Computadores

Sistemas de controle de acesso

No início dos tempos da computação, pode-se dizer que a segurança não era prioridade na lista de tarefas de ninguém. Na verdade, na maioria dos casos, a segurança nem sequer era uma ideia existente. A triste verdade sobre segurança é que ela saiu de uma postura reativa e foi feito pouco esforço de forma proativo até recentemente.

Isso não quer dizer que ninguém tenha tentado. Na realidade, em 1983, o Departamento de Defesa dos EUA viram a necessidade de proteção da informação (governamental) e trabalharam com a NSA para criar o National Computer Security Center (NCSC). Este grupo reuniu-se e criou todos os tipos de manuais de segurança e etapas, e publicou-os em uma série de livros conhecida como a “Rainbow Series”. A peça central deste esforço saiu o “Orange Book”, que realizou algo conhecido como o Trusted Computer System Evaluation Criteria (TCSEC).

(mais…)

Quebra de senha: Ataques passivos online

Como em outros casos em que examinamos e usamos medidas passivas, os ataques às senhas são usados para obte-las sem interagir diretamente com o alvo. Estes tipos de ataques são eficazes em ser furtivos, porque eles tentam coletar senhas sem revelar muito sobre o sistema coletor. Esse tipo de ataque depende menos da maneira como uma senha é construída e mais sobre como ela é armazenada e transportada. Quaisquer problemas com essas áreas podem ser apenas o suficiente para abrir a porta para obter essas valiosas credenciais. (mais…)

Enumeração de serviços de diretório e LDAP

O Lightweight Directory Access Protocol (LDAP) é usado para interagir e organizar banco de dados. LDAP é comumente usado porque é um padrão aberto e um grande número de fornecedores usam em seus próprios produtos, em muitos casos, serviços de diretórios como o Active Directory da Microsoft. Tenha em mente que você pode ter outros serviços interagindo com LDAP e, portanto, informações estarem sendo vazadas para outros sem a sua aprovação.

Se você fazer suas anotações durante a fase de escaneamento, você pode lembrar de ter achado alguma porta 389 aberta. Se você achou esta porta aberta durante o scan, você pode ter achado um alvo interessante. Esta porta está associada com o LDAP, no qual você pode achar um serviço de diretório ou algo semelhante.

O LDAP é muito usado com o Active Directory ou OpenLDAP, mas na prática, este protocolo é usado pelas empresas que são armazens de um grande volume de dados.

Um diretório é um banco de dados, mas os dados são organizados de forma hierárquica ou lógica. Outra forma de olhar para este desenho é pensar como uma organização de dados assim como ocorrer em um sistema operacional, com arquivos e pastas. Para facilitar e tornar mais eficiente o acesso estes dados, você pode usar um serviço de DNS para aumentar a velocidade das consultas. (mais…)

Enumeração com SNMP

O Simple Network Management Protocol (SNMP) é um mecanismo útil para enumerar sistemas alvos durante um pentest. Ele é usado para auxiliar na gestão de dispositivos como roteadores, hubs e switches.

Existem 3 versões atualmente:

SNMPv1 – Esta versão do protocolo foi introduzida e padronizada como um mecanismo para gerenciar dispositivos de rede. Enquanto ele veio para fazer muitas tarefas de forma padronizada, ele deixou a desejar em outras coisas que vieram ser resolvidas nas versões posteriores. Como um pentester, basta saber que esta versão não tem nenhum mecanismo de segurança.

SNMPv2 – Esta versão introduziu novas funções de gestão, assim como de segurança. Pelo desenho, ele é compatível com sua versão anterior, a v1.

SNMPv3 – É a versão mais recente do protocolo, a qual trouxe uma ênfase maior em segurança. A segurança está focada em duas áreas: (mais…)

Mapa mental – Scanning Pentest

Mapa mental – Scanning Pentest (mais…)

Verificando o status das portas dos hosts

Depois de ter localizado sistemas ativos em uma rede, é hora de dar uma olhada nesses hosts para determinar se existem portas abertas que podem ser úteis. Essencialmente o que estamos fazendo em cada host vivo é “mexer as maçanetas” em cada porta para ver quais portas estão abertas e fechadas. E enquanto podemos estar vendo que estão abertos e fechados, ainda não estamos no ponto em que estamos “espiando o que tem dentro”.

Você deve saber como as varreduras de portas funcionam e os diferentes tipos de varredura disponíveis, bem como por que você usaria um tipo e não o outro. Preste muita atenção aos scans mencionados aqui, porque cada um tem pequenos detalhes que você pode esquecer. Lembre-se também de estudar, estudar, estudar essas varreduras.

Antes de começar a executar alguns scan de portas, vamos rever alguns fundamentos. Se você se lembrar, TCP é um protocolo orientado a conexão e UDP é sem conexão. Saber como esses protocolos funcionam e o significado de cada um vai fazer e escolher a varredura correta, vai ser muito mais fácil para você e definitivamente mais produtivo. (mais…)

Segurança em redes

Analisando este tema com o viés de um hacker ético, iremos analisar como é a segurança em redes. Os firewalls e os dispositivos IDS/IPS fazem parte de uma rede segura, mas nesta postagem analisaremos brevemente a localização e a função de cada dispositivo na rede. À medida que você se aventura através dos detalhes, tenha em mente que a proteção de uma rede é um processo como um todo; Entrar em uma rede, por outro lado, é um processo focado e precisa ser feito passo a passo. Considere-o semelhante à construção de uma barragem. Como o engenheiro de uma barragem, você deve considerar a integridade de toda a estrutura e planejar do jeito certo. Se você está procurando um jeito para sabotar a barragem, então tudo que é preciso é apenas um pequeno puxão no lugar certo e tudo inundará. O mesmo acontece com a segurança da rede. (mais…)

Intrusion Prevention e Intrusion Detection Systems (IPS e IDS)

Os sistemas de prevenção de intrusões (Intrusion Prevention Systems – IPS) e os sistemas de detecção de intrusão (Intrusion Detection Systems – IDS) são coisas importantes para qualquer hacker inteligente. É importante para você, como hacker, cobrir seus rastros e manter um comportamento discreto. Deveria ser um senso comum, mas pense nisso: Se ao invés de andar nas pontas dos pés em uma rede, você encher a rede com solicitações ARP, varreduras ping e escaneamento de portas; Qual será o resultado disto? Você não irá muito longe e logo será identificado. IPSs e IDSs são dispositivos colocados na rede para capturar as atividades de seu propósito. O ponto é andar de forma devagar, mas sempre andar. Primeiro vamos nos familiarizar com o básico do IPS e IDS. Se você sabe como algo funciona, você pode aprender como contornar sua defesa. (mais…)

Atacando redes wifi com Aircrack-ng protegidas com criptografia WPA e WPA2

Vimos na postagem anterior como a criptografia WEP é fraca e podemos quebrar a criptografia, obtendo a chave de proteção com o Aircrack-ng.

Nesta postagem iremos ver como fazer para entrar em uma rede protegida com WPA e WPA2.

Wi-Fi Protected Access (WAP)

Assim que a fraqueza do WEP veio à tona, um sistema de segurança wireless mais robusto foi necessário e foi desenvolvido para trocar o WEP, o que ultimamente veio se tornar WPA2. Entretanto, a criação de um sistema criptográfico seguro para wireless levou tempo e neste meio tempo, mais segurança foi necessária para ser compatível com o hardware utilizado. Então, Wi-Fi Protected Access (WPA), também conhecido como Temporal Key Integrity Protocol (TKIP), nasceu.

WPA usa o mesmo algoritmo que o WEP (RC4), mas procura endereçara fraqueza do WEP adicionando aleatoriedade na keystream aos IVs e integridade para o ICV. Diferente do WEP, o qual usa uma chave de 40 ou 104 bits combinado com IVs fracas para cada pacote, WPA gera uma chave de 148 bits para cada pacote garantindo que cada um deles seja criptografado com uam keystream única. (mais…)

Atacando redes wifi com Aircrack-ng protegidas com criptografia WEP

Muitos roteadores vem com um método de criptografia padrão chamado Wired Equivalent Privacy (WEP). Um problema fundamental com o WEP é uma falha no algoritmo, o qual é possível um atacante recuperar qualquer chave WEP. WEP usa a cifra de fluxo Rivest Cipher 4 (RC4) e uma pre-shared key. Qualquer um que queira se conectar à rede pode usa a mesma chave, composta de uma string de dígitos hexadecimais, tanto para criptografar quanto para descriptografar. Os dados em texto claro (não criptografados) passam por uma operação de OU-Exclusivo (XOR) bit a bit de fluxo com uma chave para criar um texto cifrado.

A operaçõe tem quatro possibilidade:

  • 0 XOR 0 = 0
  • 1 XOR 0 = 1
  • 0 XOR 1 = 1
  • 1 XOR 1 = 0

Os zero e um em um fluxo de dados pode representar qualquer dado sendo enviad através da rede. Veja um exemplo de texto claro sendo cifrado com XOR e uma chave para criar um texto cifrado: (mais…)

Quer ficar atualizado?

Inscreva-se em minha newsletter e seja notificado quando eu publicar novos artigos de graça!