Sete deslizes comuns na hora de estruturar um currículo em TI

image_pdfimage_print

Explorar de maneira clara, objetiva e sucinta as principais realizações e resultados obtidos durante sua trajetória profissional. Essa é uma das principais dicas de Carolina Stilhano, gerente de marketing da Catho, site de vagas de empregos, para o profissional que quer elaborar um bom currículo.

“O currículo é o primeiro contato com o selecionador. Ele pode abrir ou fechar portas”, lembra. Por isso, segundo ela, o profissional também deve investir na divulgação do documento e utilizar principalmente os meios mais eficazes para contratação, como os classificados online e o networking. Quanto maior o número de currículos divulgados, maiores serão as chances de participar de entrevistas.

Segundo ela, sete pecados são comuns na hora de montar o currículo, empobrecendo sobremaneira seu conteúdo. Saiba quais são.

1. Erros de português

Verifique sempre a ortografia. Erros de português podem acabar com as chances de o candidato concorrer a uma vaga.

2. Fotos inadequadas 

Deixe a foto do passeio do parque e da praia para o Facebook ou o Instagram. Escolha fotos com trajes adequados.

3. Letras e papéis coloridos

Carolina lembra que o currículo deve ser agradável à leitura. Portanto, tem de ser discreto. Lembre-se: nada de cores e símbolos. “O ideal para destacar as informações é, no máximo, a utilização de recursos como negrito e sublinhado. Evite também variar os tipos de fonte. Documentos pessoais como RG, CPF, título de eleitor, entre outros documentos, não devem estar no currículo”, lista.

4. Desenhos

Não é indicado inserir imagens no currículo, destaca Carolina. Caso as imagens tenham relação direta com algum trabalho realizado, o candidato deve preparar um portfólio de acordo com a área de interesse, ensina.

5. Margens  

Evite esse recurso. Ele pode cansar a vista e afastar o recrutador.

6. Deixe para destacar suas características comportamentais na entrevista

Na elaboração de um currículo, não é adequado mencionar qualificações pessoais, geralmente esses pontos deverão ser identificados no momento da entrevista. “É nessa hora que o profissional terá a oportunidade de falar sobre suas principais habilidades”, afirma Carolina.

7. Páginas e mais páginas de conteúdo

Hoje, lembra Carolina, o profissional tem de pensar em dois modelos de currículo: online e impresso. No caso do impresso, currículos sucintos são mais apreciados pelas empresas, pois comunicam rapidamente o objetivo e as experiências do profissional. Neste caso, o ideal é um currículo elaborado com até duas páginas.

Já no caso do currículo online, diz, o profissional deve se preocupar em passar todas as informações possíveis, que estejam relacionadas a área de interesse, para que seja encontrada rapidamente nas buscas realizadas pelas empresas.

E um bom currículo, o que deve ter?

Carolina afirma é importante destacar seis itens na hora de compor um currículo:

1. Dados pessoais (nome completo, idade, endereço, telefone e e-mail)
2. Objetivo profissional. Nesse caso, explica, o candidato pode colocar o cargo desejado ou apenas a área. “Objetivo: TI”, por exemplo
3. Formação acadêmica
4. Nível de conhecimento em Idiomas (caso possua)
5. Cursos realizados
6. Conhecimentos específicos em informática

Ela alerta, no entanto, que para candidatos recém-formados não é interessante especificar o cargo por não possuírem uma atuação profissional definida. “Assim, o ideal é deixar em aberto, colocando apenas a área de interesse”, ensina. Para candidatos que já possuem experiência, prossegue, o ideal é citar apenas um objetivo profissional: cargo e área de interesse. Isso demonstrará que o profissional tem foco em sua carreira.

Carolina diz que dados para contato logo no início do currículo não podem ficar de fora. “Sem eles os selecionadores não poderão contatá-lo”, lembra. Além disso, é adequado indicar apenas um objetivo profissional: cargo e área de interesse e ressaltar as atividades mais relevantes desenvolvidas nas empresas em que trabalhou e os resultados obtidos.

Em TI, afirma Carolina, o conhecimento técnico, aliado a experiência, certamente é o requisito mais importante que deve ser destacado no currículo. “Nessa área, a graduação, por exemplo, nem sempre é fundamental, pois muitas vezes o profissional é extremamente competente e possui outras certificações mais relevantes, que também devem ser citadas”, assinala.

Para chamar a atenção do recrutador em processos seletivos em TI, outro fator importante é o domínio do inglês, que, quase sempre, é imprescindível nessa área. “Em alguns cargos, é exigido apenas o inglês técnico, necessário para ler documentação de sistemas, de linguagens, livros de referência etc. Mas para cargos de gestão, na maioria dos casos o inglês fluente é fundamental, pois o profissional muitas vezes terá de conversar com fornecedores ou clientes no exterior, ou até mesmo terá de escrever documentações em inglês”, finaliza.

O começo do ano é sempre um bom momento para buscar novas oportunidades de emprego. Anote as dicas e boa sorte!

Sete deslizes comuns na hora de estruturar um currículo em TI – Carreira – CIO.

Sou bacharel em Sistemas de Informação pela Estácio de Sá (Alagoas), especialista em Gestão Estratégica da Tecnologia da Informação pela Univ. Gama Filho (UGF) e pós-graduando em Gestão da Segurança da Informação pela Univ. do Sul de Santa Catarina (UNISUL). Certificações que possuo: CompTIA Security+, EXIN EHF, MCSO, MCRM, ITIL v3. Tenho interesse por todas as áreas da informática, mas em especial em Gestão e Governança de TI, Segurança da Informação, Ethical Hacking e Perícia Forense.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Quer ficar atualizado?

Inscreva-se em minha newsletter e seja notificado quando eu publicar novos artigos de graça!