Pequenas e médias empresas estão mais vulneráveis a ataques, alerta pesquisa

image_pdfimage_print

O relatório Global IT Security Risk, realizado recentemente pela consultoria B2B Internacional a pedido da Kaspersky Lab, que desenvolve soluções de gerenciamento de ameaças e conteúdo seguro, identificou que as pequenas e médias empresas (PMEs) são tipicamente mais vulneráveis a vírus, worms, spyware e outros programas maliciosos.

O levantamento, que ouviu 3,3 mil profissionais de segurança em 22 países, aponta que 63% das pequenas empresas e 60% das médias têm lidado com malware em suas redes nos últimos 12 meses. Grandes companhias tendem a sofrer com outras ameaças, como espionagem, phising e ataques de DDoS (do inglês distributed denial-of-service).

“Os negócios menores acreditam que não são alvo de cibercriminosos e por isso não prestam tanta atenção aos recursos de proteção”, alerta Eljo Aragão, diretor-geral da Kaspersky no Brasil.

Números da pesquisa comprovam a afirmação de Aragão. O estudo aponta que as pequenas implementam um ambiente menos desenvolvido de segurança do que as grandes. Entre as menores empresas, 19% concordam que agem de forma reativa a incidentes, tomando medidas somente depois que problemas acontecem. Já entre as médias esse índice é de 15%. Menos de um quarto das PMEs se considera realmente pró-ativa quando o assunto é segurança.

Crescem ataques

Dos entrevistados de PMEs e grandes empresas, 52% acreditam que ataques direcionados vão saltar e serão cada vez mais frequentes. Um terço dos especialistas acredita que a empresa vai sofrer um ciberataque direcionado.

Embora conscientes do risco, 33% das organizações ainda não contam com uma solução anti-malware para evitar danos à corporação. A falta de proteção adequada tem causado perdas. Mais de um terço dos especialistas apontou que a empresa sofreu violação de dados em razão da infestação por malware. Ataques via e-mail também foram citados como desafios à segurança por 21% e phishing por 17%.

A maior violação de dados aconteceu a partir de dispositivos móveis, citado por 23% dos respondentes que perderam seus aparelhos. Outros 15% relataram perdas em razão do roubo do aparelho. As informações perdidas, aponta a Kaspersky, incluem dados financeiras e de clientes, problemas relatados por 36% dos entrevistados.

Pequenas e médias empresas estão mais vulneráveis a ataques, alerta pesquisa – Segurança – COMPUTERWORLD.

Sou bacharel em Sistemas de Informação pela Estácio de Sá (Alagoas), especialista em Gestão Estratégica da Tecnologia da Informação pela Univ. Gama Filho (UGF) e pós-graduando em Gestão da Segurança da Informação pela Univ. do Sul de Santa Catarina (UNISUL). Tenho interesse por todas as áreas da informática, mas em especial em Gestão, Segurança da Informação, Ethical Hacking e Perícia Forense. Sempre disposto a receber sugestões de assuntos para criar uma postagem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Quer ficar atualizado?

Inscreva-se em minha newsletter e seja notificado quando eu publicar novos artigos de graça!