O que é a nuvem?

Enquanto a computação em nuvem é um termo “novo”, não é um conceito novo e é realmente uma versão madura e mais madura do que costumava ser conhecido como grid computing. Não importa o que você chama, a nuvem é uma maneira de mover serviços, infra-estrutura e plataformas para o novo ambiente. Idealmente, este movimento torna o crescimento e gerenciamento de software e outras tecnologias mais fácil e mais rentável do que antes.

O conceito de nuvem vem evoluindo nas últimas três décadas com muitas idéias diferentes e desenvolvimentos convergentes para tornar a nuvem que conhecemos hoje. É claro que o que inicialmente foi considerado como uma forma de reunir recursos e fornecer armazenamento tornou-se muito mais do que isso nos últimos anos.

Então, o que é a nuvem exatamente, e como podemos defini-la de uma forma que faz sentido? Em geral, podemos dividir a lista de características de uma solução de computação em nuvem em algo bastante simples e sucinta:

  • On-Demand Self-Service – Os usuários de serviços em nuvem têm a capacidade de ajustar, personalizar e configurar os serviços necessários para atender às suas necessidades tanto agora como no futuro.
  • Broad Network Access – Recursos que podem ser acessados a partir de qualquer dispositivo conexão. A nuvem é projetada para ser acessada de qualquer lugar.
  • Pooling de recursos – Os recursos de computação do provedor são agrupados para atender vários usuários usando um modelo multi-tenant, com diferentes recursos físicos e virtuais dinamicamente atribuídos e reatribuídos de acordo com a demanda do usuário.
  • Capacidades de Elasticidade Rápida – A nuvem tem a capacidade de ser expandida e ajustada para adicionar mais desempenho, espaço ou capacidade ao sistema, permitindo que o usuário cresça conforme necessário sem ter que se preocupar com o processo. Na verdade, para eles pode parecer que eles têm espaço e recursos ilimitados.
  • Serviço mensurado – Os sistemas de cloud computing controlam e otimizam automaticamente o uso de recursos alavancando uma capacidade de medição em algum nível de abstração apropriado ao tipo de serviço. O uso de recursos pode ser monitorado, controlado e relatado, proporcionando transparência para o provedor e o usuário.

Se você fosse perguntar a um grupo de pessoas de TI e executivos o que é a nuvem, sua definição provavelmente incluirá linguagem muito mais florida e descrições do que o que é usado aqui. No entanto, na maioria das definições, os pontos listados aqui tendem a descrever a grande maioria das implementações da nuvem com pequenas diferenças.

As áreas mais comuns onde as pessoas têm encontrado tecnologias em nuvem são coisas como e-mail e o uso generalizado de serviços como o Google Docs, que permite a colaboração com vários usuários através da Internet. Uma pessoa comum não precisará ter um cliente de e-mail de desktop dedicado para armazenar todos os seus e-mails e anexos, mas poderá armazenar tudo na nuvem e usar um navegador web para acessar.

Pacotes de escritório, como o Google Apps e o Office 365, também entraram no mundo do serviço em nuvem e são usados por diversos consumidores e empresas. Devemos também mencionar que serviços como Dropbox e OneDrive também são opções de armazenamento em nuvem populares que tanto o consumidor quanto o local de trabalho devem estar cientes. A Microsoft e outras empresas também estão experimentando a mudança de programas para a nuvem para torná-los mais acessíveis e mais acessíveis aos usuários de computadores e da Internet. Estes incluem tecnologias como o Exchange, Active Directory, SharePoint e muito mais.

Com o apoio onipresente para as tecnologias em nuvem por parte dos provedores de serviços e do consumidor, não há dúvida de que eles estarão presentes por um longo tempo. Os consumidores continuarão a usar os serviços oferecidos pela nuvem e as empresas buscarão transferir o custo e a responsabilidade para um terceiro, a fim de simplificar essa responsabilidade e reduzir a despesa.

Tipos de soluções em nuvem

Chamar a nuvem de “a nuvem” simplesmente não é preciso porque não descreve completamente o escopo dos serviços em nuvem. Embora todos os serviços em nuvem compartilhem a capacidade de fornecer recursos compartilhados, software compartilhado e informações compartilhadas para reduzir os custos da tecnologia de informação (TI) da organização, eles também oferecem a capacidade de combinar serviços de diferentes maneiras e escalar uma quantidade quase ilimitada para aumentar a capacidade do consumidor ter que investir no equipamento necessário para suportar a instalação.

O primeiro ponto a considerar quando se discute a nuvem é a forma que a nuvem tomará: público, privado, híbrido ou comunidade:

  • A nuvem pública as vezes é também chamada de nuvem externa e é hospedada por um terceiro que tem seu próprio pessoal e recursos localizados em suas próprias instalações fora do local. Os clientes podem adicionar ou remover espaço e serviços sob demanda e só pagam por esses serviços que eles usam e quanto deles eles precisam. O problema do ponto de vista da segurança com nuvens públicas é que elas são de propriedade de terceiros e quaisquer dados colocados nesses sistemas (embora você ainda o possua) são controlados por terceiros. Se a ideia de um terceiro ter controle de suas informações é um risco inaceitável, então isso não é uma solução para você.
  • Uma nuvem privada é uma configuração de nuvem que foi construída a partir do zero por uma empresa individual para uso interno apenas. Enquanto esta solução oferece todos os benefícios da nuvem em si, também oferece a organização completa e controle de suas informações, porque ele é mantido no local em sua própria infra-estrutura.
  • Uma nuvem híbrida é outra configuração potencialmente útil porque combina nuvens públicas e privadas. Nesta configuração, uma empresa pode armazenar seus dados confidenciais na nuvem privada, aumentando o espaço e a capacidade adicionais com a nuvem pública.
  • Uma nuvem de comunidade é outra configuração que é compartilhada por várias partes, mas a diferença aqui é que as partes individuais compartilham objetivos comuns, necessidades de segurança e recursos. Essa configuração pode tornar as coisas mais fáceis para fins de gerenciamento e os requisitos serão semelhantes.

Embora cada um destes modelos ofereça benefícios, há também inconvenientes potenciais. Uma preocupação potencial é o tempo que os dados podem levar para viajar de um site remoto em comparação com o tempo que leva quando os dados são armazenados localmente. O atraso é conhecido como latência de dados e pode causar problemas para operações sensíveis ao tempo.

Ao olhar para a questão da nuvem em termos de segurança, a nuvem privada tende a ganhar o concurso. No entanto, a compensação nesta situação é que uma nuvem privada exige um maior investimento em hardware, suporte e itens relacionados. Por outro lado, ir com uma nuvem pública reduz todos esses custos e despesas, mas a segurança precisa ser avaliada e monitorada muito mais de perto.

Formas de serviços em nuvem

Portanto, agora que você está claro sobre os diferentes tipos de implantações que podem ser feitas com os serviços em nuvem, vamos analisar as várias formas de serviços em nuvem:

  • Software como um serviço (SaaS) é o mais rápido crescimento e maior parte do mercado de serviços em nuvem hoje e espera-se que continue o seu rápido crescimento. Esta forma de serviço em nuvem tornou-se tão popular rapidamente porque muitas empresas estão olhando para SaaS para sustentar suas aplicações e serviços atuais. A ideia de ser capaz de descarregar a gestão de software para um terceiro, mas ainda ser capaz de aproveitar as características do software é o benefício. Por exemplo, uma empresa que escolhe ir com um produto como o Office 365 da Microsoft pode se integrar a uma variedade de serviços baseados na nuvem, bem como atualizar e compartilhar documentos com mais facilidade. Outro exemplo é o serviço Gmail do Google, que coloca a configuração e o gerenciamento de servidores de e-mail na nuvem e permite que os usuários acessem sua caixa de correio de qualquer lugar.
    Devido ao modelo de entrega na Web, o SaaS elimina muito da necessidade de instalar e executar aplicativos em computadores individuais; Em muitos casos, apenas os plugins do navegador são necessários. Esta facilidade de utilização também é atraente para as empresas que procuram reduzir seus encargos e custos de suporte.
  • A plataforma como um serviço (PaaS) é outro tipo de serviço em nuvem, mas é direcionada principalmente para fins de desenvolvimento. Os desenvolvedores de software podem usar o PaaS como um framework para desenvolver aplicativos. O PaaS torna o desenvolvimento, teste e implantação de aplicativos simples e econômico. Com essa tecnologia, as operações corporativas ou um provedor de terceiros podem gerenciar sistemas operacionais, virtualização, servidores, armazenamento, rede e o próprio software PaaS enquanto os desenvolvedores gerenciam os aplicativos.
  • Os serviços de infraestrutura de nuvem, conhecidos como Infraestrutura como Serviço (IaaS), são modelos de autoatendimento para acessar, monitorar e gerenciar infraestruturas remotas de datacenter, como computadores, armazenamento, rede e serviços de rede (por exemplo, firewalls).

Para que algo seja considerado computação em nuvem, você precisa acessar seus dados ou seus programas pela Internet ou, no mínimo, ter esses dados sincronizados com outras informações na web. Em um grande ambiente de negócios, você pode saber tudo o que há para saber sobre o que está do outro lado da conexão. Como um usuário individual, você nunca pode ter qualquer ideia de que tipo de processamento de dados massivo está acontecendo na outra extremidade.

Sugestões de livros:

Sou bacharel em Sistemas de Informação pela Estácio de Sá (Alagoas), especialista em Gestão Estratégica da Tecnologia da Informação pela Univ. Gama Filho (UGF) e pós-graduando em Gestão da Segurança da Informação pela Univ. do Sul de Santa Catarina (UNISUL). Certificações que possuo: CompTIA Security+, EXIN EHF, MCSO, MCRM, ITIL v3. Tenho interesse por todas as áreas da informática, mas em especial em Gestão e Governança de TI, Segurança da Informação, Ethical Hacking e Perícia Forense.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Quer ficar atualizado?

Inscreva-se em minha newsletter e seja notificado quando eu publicar novos artigos de graça!