Necessidade e componentes gerais da segurança da informação

image_pdfimage_print

Mesmo numa sociedade centrada em tecnologia, afinal estamos na era
da informação e do conhecimento, ainda assim, poucas empresas podem
assegurar que estão livres de incidentes, mesmo as que investem o suficiente
na proteção dos seus ativos de informação, os quais podem ser representados
por documentos, livros e arquivos em papel ou informação armazenada
eletronicamente (Electronically Stored Information – ESI).

A proteção para minimizar os riscos de incidentes envolve elevados recursos
financeiros, humanos e computacionais, os quais se justificam na medida em que
possíveis perdas desses ativos de informação possam inviabilizar a continuidade
do negócio da empresa a que pertencem.

A habilidade de detectar os problemas quando da ocorrência dos incidentes de
segurança e de responder de maneira efetiva a isso é mandatória, inclusive sob
os aspectos regulatórios. Por exemplo, o roubo ou abuso no uso de informações
financeiras ou de prontuários médicos – para citar somente alguns casos – podem ter consequências legais mais graves do que a simples perda dessas informação.

Outros fatores, como perdas devido à utilização incorreta ou ilícita de ativos pelos próprios funcionários da organização, têm gerado prejuízos estimados em milhões de dólares anuais.

Além disso, erros e omissões na utilização de informações são responsáveis diretos por prejuízos significativos, e de uma forma mais danosa que os ataques intencionais aos ativos de informação. Esses fatos, os quais atuam como fontes geradoras de incidentes de segurança, são mais difíceis de detectar, uma vez que a origem do problema pode estar bastante difusa em um elevado número de eventos e procedimentos.

Portanto, o domínio de métodos, normas e técnicas de tratamento dos incidentes de segurança torna-se cada vez mais necessário nos ambientes empresariais atuais, altamente informatizados e dependentes de seus ativos de informação.

O usuário da informação é um aspecto complexo da sua segurança, pois existe
uma relação inversa entre segurança e a satisfação do usuário:

Segurança = 1 / Satisfação

Obviamente, quanto mais controles, políticas e permissões de acesso você insere em uma rede, menos confortável ficará a utilização dos recursos por seus usuários. Uma questão central é: quanto de conforto o usuário abre mão para sentir-se seguro nas questões de rede? Regras draconianas motivam boicotes às políticas. Um exemplo desse tipo de regra, que pode ter consequências adversas, é o  seguinte: “nenhum uso dos recursos de rede pode ser pessoal”. Mas você precisa dos usuários atuantes nas políticas de segurança.

Aspectos gerais da segurança da informação

Qualquer componente ou fase de um programa de segurança da informação não
envolve somente tecnologia. Uma abordagem correta para a implementação
dessa segurança inicia sempre pelas pessoas.

O diagrama a seguir mostra o inter-relacionamento entre os componentes envolvidos nos diversos aspectos dos planejamentos relacionados com segurança da informação.

Acompanhemos, pontualmente, a seguir, cada um dos componentes desse
diagrama.

Pessoas

As pessoas são o elemento mais importante na gestão da segurança, pois em

essência são elas que executam e suportam os processos de uma organização. Uma abordagem correta dos componentes responsáveis pela segurança da informação trata com as pessoas os assuntos relacionados a essa área e estabelece com elas seus papéis e responsabilidades na organização. O que, por sua vez, abrange desde a capacitação dos profissionais responsáveis pela segurança até o treinamento dos colaboradores, passando pela criação de uma cultura de conscientização da organização e de seus parceiros (fornecedores, clientes, terceirizados) em relação à necessidade de se estabelecer a segurança da informação.

Importante: Os usuários devem entender os propósitos básicos do programa de
segurança da informação e a sua implementação antes que ganhem
acesso a recursos de TI.

No mínimo, os usuários devem entender os seguintes componentes de
segurança de TI:

  • Confidencialidade.
  • Segurança das Senhas: logging off; múltiplos sign-ons.
  • Comportamentos adequados para segurança dos sistemas de TI.
  • Software malicioso.
  • Armadilhas dos e-mails.
  • Backups.
  • Uso da Internet.
  • Licenciamento de software.
  • Etiqueta para uso de e-mail.
  • Expectativas de privacidade.
  • Como reportar incidentes.
  • Segurança nos sistemas de telecomunicações
  • Resumo do funcionamento da rede.
  • Login remoto.
  • Segurança física.
  • Disponibilidade de informação sensível ou sigilosa.
  • Consequência do mau uso dos recursos dos sistemas de TI.

Processos

Esse elemento da abordagem da segurança da informação é o principal eixo de
sua gestão nas tarefas diárias de uma organização. Compreende desde a visão
da corporação – o modelo de negócios, os objetivos, a definição dos ativos de
informação que se quer proteger, a estratégia de segurança para protegê-los, a
definição das políticas para a implementação dessa segurança – até os processos que colocam em prática tais políticas – os procedimentos, a documentação de controle e os padrões de conformidade dessa mesma segurança.

Através de processos bem definidos, uma organização torna a segurança da
informação uma responsabilidade de todos e não apenas da equipe de segurança.

Essa gestão, portanto, determina, por meio de diretrizes, as maneiras corretas
de se agir nos processos da organização para que a segurança seja minimamente
comprometida.

Ferramentas

Elas são as soluções de segurança empregadas para suportar os processos
delineados na organização. Portanto, devem facilitar a devida aplicação das
políticas de segurança da informação e seu monitoramento. Incluem diversas
funcionalidades, desde a identificação dos usuários, criptografia de dados, defesa contra ameaças até a gestão da segurança.

Referências
STACEY, T. R. Contingency planning best practices and program maturity. In: TIPTON, H.;
KRAUSE, M. Information Security Management Handbook. 6. ed. Auerbach Publications, 2007.
SWANSON, M. et al. Contingency planning guide for information technology systems recommendations of the national institute of standards and technology. 2002.
TIPTON, H.; KRAUSE, M. Information Security Management Handbook. 6. ed. Auerbach Publications, 2007.
ZAPATER, M.; SUZUKI, R. Segurança da Informação: um diferencial determinante na competitividade das corporações. Promon Business & Technology Review. 2009
STALLINGS, W. Network security essentials. 4. ed. Pearson Education, 2007.

Autor: Fernando Cerutti

 

Sou bacharel em Sistemas de Informação pela Estácio de Sá (Alagoas), especialista em Gestão Estratégica da Tecnologia da Informação pela Univ. Gama Filho (UGF) e pós-graduando em Gestão da Segurança da Informação pela Univ. do Sul de Santa Catarina (UNISUL). Tenho interesse por todas as áreas da informática, mas em especial em Gestão, Segurança da Informação, Ethical Hacking e Perícia Forense. Sempre disposto a receber sugestões de assuntos para criar uma postagem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Quer ficar atualizado?

Inscreva-se em minha newsletter e seja notificado quando eu publicar novos artigos de graça!