Ministro da Defesa diz que armas cibernéticas já são risco para redes

Nas últimas semanas, o ministro Celso Amorim recebeu o secretário de Defesa e o chefe do Estado-Maior dos EUA, ambos trazendo cooperação em defesa cibernética como prioridade.

Amorim relativiza o risco de “guerra cibernética” e relata os primeiros passos do Brasil na área. (NS)

Folha – A ameaça de ciberguerra é real?

Celso Amorim – O ambiente digital é um campo novo, que suscita grande interesse. É possível que nele tenham lugar conflitos militares, mas creio que o termo “guerra” seja exagerado para o momento atual. Os efeitos e o alcance de uma guerra cibernética ainda são desconhecidos. De toda forma, a existência de armas cibernéticas é perceptível.

Preocupam-nos os riscos que já representam para redes governamentais.

Qual é o estágio da guerra cibernética, no mundo?

Hoje predominam ações exploratórias, que se caracterizam por ocorrências pontuais com o intuito de verificar vulnerabilidades dos alvos, sejam eles de personalidade pública ou privada. O objetivo principal desses ataques é a obtenção de informações protegidas, para uso em fraudes e na exploração da fragilidade de infraestruturas críticas de Estado.

Um exemplo recente foi a alegada paralisação do programa nuclear iraniano pelo vírus Stuxnet.

Como o Brasil deve se preparar para essa ameaça?

Em 2010, o Ministério da Defesa criou, por meio do Comando do Exército, o Centro de Defesa Cibernética. Sua missão é aprofundar o estudo de ameaças, estabelecer a doutrina nacional sobre o tema e aperfeiçoar os meios de defesa contra essas ameaças, inclusive com investimentos em hardware e software.

Está em análise uma proposta de política de defesa cibernética. O fator crucial para o êxito da proteção consistirá na conscientização do usuário. O elo mais fraco na defesa cibernética é o ser humano.

Fonte: Folha

Sou bacharel em Sistemas de Informação pela Estácio de Sá (Alagoas), especialista em Gestão Estratégica da Tecnologia da Informação pela Univ. Gama Filho (UGF) e pós-graduando em Gestão da Segurança da Informação pela Univ. do Sul de Santa Catarina (UNISUL). Certificações que possuo: CompTIA Security+, EXIN EHF, MCSO, MCRM, ITIL v3. Tenho interesse por todas as áreas da informática, mas em especial em Gestão e Governança de TI, Segurança da Informação, Ethical Hacking e Perícia Forense.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Quer ficar atualizado?

Inscreva-se em minha newsletter e seja notificado quando eu publicar novos artigos de graça!