Hackers estão vencendo a guerra

image_pdfimage_print

Na RSA Conference, realizada na semana passada, nos Estados Unidos, os profissionais de segurança de tecnologia viram mais do lado negro do que esperavam: uma série de presidentes-executivos cujas empresas sofreram ataques de hackers.”É bastante desanimador”, disse Gregory Roll, que foi ao evento, em busca de conselhos e para avaliar a opção de comprar softwares de segurança para seu empregador, um grande banco que ele se recusou a nomear porque não estava autorizado a falar em nome da instituição. “É uma batalha constante, e estamos perdendo”.

O evento ocorreu no momento que o Congresso dos Estados Unidos vota sobre novas legislações com o objetivo de proteger melhor empresas norte-americanas de cyberataques por espiões, criminosos e ativistas.Se a proposta de lei sugere que hackers estão sendo bem-sucedidos com todo tipo de empresas, o conjunto de palestrantes considerou o assunto de uma perspectiva pessoal.

A palestra de abertura, de Art Coviello, conselheiro da patrocinadora da conferência e vítima de hacking RSA, definiu o tom com a música dos Rolling Stones “You Can’t Always Get What You Want” (você nem sempre consegue o que quer, em português). No ano passado, a empresa teve um e-mail com um anexo infectado havia sido aberto por um funcionário. Isso deu a hackers acesso à rede corporativa e eles emergiram com informações sobre como a RSA calcula os números mostrados em Tokens SecurID, que em seguida foram usadas num ataque a Lockhead Martin que o empresa de defesa disse ter frustrado.

Conviello disse que ele esperava que as mazelas da empresa ajudassem a criar um sentido de urgência em face de oponentes formidáveis, especialmente governos estrangeiros, que estão sendo auxiliados pela crescente indefinição das fronteiras entre atividades online profissionais e pessoais. Cerca de 70% de empregados numa pesquisa que ele citou admitiram subverter regras corporativas com o objetivo de conseguir acesso a outros recursos por meio de redes sociais e smartphones, fazendo com que a segurança se torne muito mais difícil.

Quem também assumiu que foi vítima dos hackers foi a Nasa. A empresa informou que cibercriminosos roubaram credenciais de funcionários e conseguiram acesso a projetos críticos para missões no ano passado em 13 grandes violações às redes que poderiam prejudicar a segurança nacional dos EUA. O inspetor-geral da Administração Nacional de Aeronáutica e do Espaço, Paul Martin, depôs esta semana no Congresso sobre as violações, que parecem estar entre as mais significativas dentre uma série de problemas de segurança em agências federais.

A agência espacial descobriu em novembro que os hackers, trabalhando de um endereço de IP (Internet Protocol) da China, invadiram a rede do Laboratório de Propulsão de Jatos (JPL, sigla em inglês) da Nasa, relatou Martin durante o seu depoimento divulgado na quarta-feira. Um dos laboratórios principais da Nasa, o JPL administra 23 espaçonaves que conduzem missões espaciais ativas, incluindo missões a Júpiter, Marte e Saturno.

Fonte: Agência Reuters

Sou bacharel em Sistemas de Informação pela Estácio de Sá (Alagoas), especialista em Gestão Estratégica da Tecnologia da Informação pela Univ. Gama Filho (UGF) e pós-graduando em Gestão da Segurança da Informação pela Univ. do Sul de Santa Catarina (UNISUL). Certificações que possuo: CompTIA Security+, EXIN EHF, MCSO, MCRM, ITIL v3. Tenho interesse por todas as áreas da informática, mas em especial em Gestão e Governança de TI, Segurança da Informação, Ethical Hacking e Perícia Forense.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Quer ficar atualizado?

Inscreva-se em minha newsletter e seja notificado quando eu publicar novos artigos de graça!