Dez recomendações para a autoavaliação profissional

image_pdfimage_print

As autoavaliações profissionais não são muitos comuns nas companhias e quase sempre são desprezadas. Mas elas são bastante úteis para ajudá-lo a brilhar e melhorar seu desempenho na carreira. Como fazê-las com sucesso? Especialistas em RH dão dicas para orientar você nessa tarefa.

Em seu livro “Get The Job You Want, Even When No One’s Hiring”, o consultor norte-americano em desenvolvimento de carreira Ford Myers relata que o que os gerentes costumam fazer são as avaliações de desempenho de seus funcionários. Porém, muitos chefes e patrões fazem esse trabalho mais como uma obrigação.

Muitas empresas não dão muita atenção para as autoavaliações. “Mas algumas levam muito a sério e tomam medidas para estimular seus funcionários a fazerem esse tipo de exercício”. Entretanto, fazem isso com formalidade, constata Myers.

De acordo com John Reed, da consultoria Robert Half Technology, algumas companhias estão no caminho certo e usam a autoavaliação por duas razões:

1 –  Esse processo obriga o funcionários a avaliar a si próprios e também a sua performance.

2 – Ajuda os gestores a entenderem se o colaborador da sua equipe tem uma compreensão exata do seu desempenho no trabalho.

“A autoavaliação é essencial para analisar o desempenho e uma oportunidade para verificar suas próprias realizações. Você deve fazê-la todo ano e dizer a seu gerente que áreas gostaria de focar mais”, aconselha Michelle Roccia, vice-presidente da consultoria em RH norte-americana WinterWyman.

Veja a seguir dez recomendações dos especialistas na hora de fazer a sua autoavaliação de desempenho.

1- Fale sobre o plano de carreira
A autoavaliação deve ser focada não apenas em seu trabalho, de acordo com Myers. Ela também deve ser baseada em seu plano de carreira de longo prazo. “É uma oportunidade para você refletir sobre como está em sua carreira e não apenas no seu trabalho”, afirma o consultor. Use-a para refletir onde quer está no longo prazo.

Do ponto de vista do empregado, se não houver um plano de carreira de forma consistente aproveite para sentar com o seu gerente e dizer: “isso é realmente importante na minha carreira. Quero construir habilidades adicionais, ser certificado, ser um gerente e quero um aumento de salário”, ensina Reed. Será necessário traçar um plano com ele e estar de acordo. “Fazer isso faz com que expectativas se tornem reais e tangíveis”, diz Reed.

2- Mantenha um diálogo aberto
Se as empresas vão utilizar a autoavaliação devem educar os funcionários sobre o seu valor e as razões para fazê-la bem. Também precisam explicar claramente que esse recurso não está relacionado com bônus ou aumentos salariais. “Treinamos nossos funcionários sobre a importância de todo o processo da avaliação de desempenho e autoavaliação”, comenta Michelli.

“Use este recurso para construir o seu valor, distinguir-se e mostrar suas contribuições. É hora para realmente alavancar suas realizações”, recomenda Myers. Em um mundo perfeito, a autoavaliação abre um diálogo em que você pode discutir com o seu supervisor assuntos como o seguinte:

• 2.1 – Quais são as nossas maiores prioridades agora?

• 2.2 – Eu estou no caminho certo?

• 2.3 –  Há algo que você gostaria que eu focasse?

• 2.4 –  Onde você acha que eu preciso dedicar mais tempo e energia?

• 2.5 – Como posso ajudar a tornar seu trabalho mais fácil?

Ter um diálogo como esse faz com que a análise anual e a autoavaliação sejam menos formais. Assim é como deveria ser, de acordo com Myers. “Esse processo permite que você tenha conversas com o seu chefe durante todo o ano. Mantenha o diálogo aberto, caso contrário poderá ficar perdido na poeira”, orienta Myers.

3- Pergunte como a sua autoavaliação é utilizada
Aproxime-se do seu supervisor e pergunte como essas autoavaliações são utilizadas. Elas estão ligadas a bônus, promoções ou recompensas? Saber as respostas lhe dará uma visão muito mais aguçada sobre o quanto de esforço será necessário.

4- Faça a si mesmo as perguntas difíceis
Os especialistas concordam que você deve usar esse mecanismo como uma oportunidade para fazer uma autoavaliação imparcial do seu conjunto de habilidades. Seja honesto ao responder:

• 4.1 – O que eu poderia ter feito melhor este ano?

• 4.2 – Quais são os meus pontos fortes?

• 4.3 – Quais são minhas fraquezas e como posso melhorá-las?

• 4.5 – Que iniciativas posso tomar para me tornar um empregado que contribui mais no próximo ano?

5- Seja positivo
As observações dos funcionários devem ser 90% de questionamentos 10% de comentários positivos, referidas por Myers como “áreas de desenvolvimento”. Utilize estes 10% em sua autoavaliação para explicar o seu plano para crescer e se desenvolver em áreas específicas ao longo do próximo ano.

Não bata de frente com chefes, colegas de trabalho ou fornecedores. Concentre-se em você, nas suas realizações e desenvolvimento profissional.

6- Administre suas deficiências
“Tente fazer uma autoavaliação equilibrada”, aconselha Reed. Todos nós temos áreas de melhoria e eu recomendaria conversar com seu chefe para saber o que você pode aprimorar”, diz Reed.

Olhe para as áreas que acha que não está tão bem e use “a linguagem de desenvolvimento” para explicar como realmente quer melhorar e o que fazer para alcançar essa meta.

Por exemplo, você poderia explicar sobre o ano passado. Você percebeu que suas habilidades em software foram úteis em algum trabalho? De acordo com Myers, você poderia dizer algo como: “meu objetivo para este ano é fazer alguns cursos avançados em HTML5 porque estamos usando mais esta tecnologia para evoluir o nosso site.”

Myers aconselha a enxergar eventuais deficiências não como problemas ou coisas que você fez de errado, mas sim como áreas para o desenvolvimento. “As fraquezas sempre devem ser abordados como oportunidades para se aprimorar e contribuir com mais força para a empresa”, diz o consultor. Elas sinalizam onde você deve se esforçar mais para fazer melhor e contribuir de forma mais efetiva com a empresa. Portanto, não devem ser encaradas como algo negativo.

7- Avalie sua capacitação
Após ter definido as áreas em que gostaria de se aprimorar, trace um plano de como chegar lá. Use isso como uma oportunidade para pedir qualquer tipo de treinamento que ajudará a contribuir mais com sua empresa, como por exemplo participar de uma conferência de SEO ou fazer um curso sobre a nova versão de servidor SQL. A ocasião pode ser um bom momento para fazer essa reivindicação

8- Documente suas realizações
Seja específico. Avalie as conquistas que alcançou e não se esqueça de incluir como conseguiu atingi-las. Documente detalhadamente, por exemplo, um processo adotado para criar um fluxo de trabalho para melhoras o suporte técnico. Relate de forma completa como resolveu um problema ou fez uma correção de uma falha e resultados obtidos de forma concisa e completa em vez de simplesmente descrever a implantação. “Use dados e fatos concretos a seu favor”, ensina Reed.

Esta é realmente a chance de informar a seu chefe todas as coisas boas que já realizou. “Você pode fazer isso sem se vangloriar baseando-se em fatos, o que não há nada de errado”, diz Reed.

Myers concorda: “seja muito, muito específico.” Ele recomenda manter durante todo o ano o que chama de “arquivo de sucesso”, onde você anota todas as suas contribuições, relatando as conquistas mensais. No final do ano, você terá 12 documentos de referência para a sua autoavaliação.

O consultor sugere que você envie esses resultados para o seu chefe no final de cada mês, mostrando todas as suas contribuições e realizações. “Eu pessoalmente gosto da ideia de mandar esse documento para o chefe no final de cada mês”, diz Myers. Ele constata que alguns se baseiam nestas avaliações na hora de reconhecer alguns funcionários. Dessa forma, afirma “eles estão prontos para dar-lhe um aumento ou promoção, sem que você peça.

9- Adote diferentes pontos de vista
Se a análise de desempenho e a autoavaliação são totalmente diferentes, de acordo com Reed, provavelmente indica que as reuniões com seu gerente não são suficientes. A discussão tem que endereçar as expectativas das posições de empregado e de gestão.

“Se eu estou fazendo uma avaliação anual e estamos fora tanto do que me diz quanto de ações corretivas e ajustes adotados durante todo o decorrer do ano, algo precisa ser revisto”, diz Reed.

10- Busque mentoring
Tem empresas e gestores que nunca dão feedback ou fazem avaliações de desempenho. Se o empregador se recusar a dar qualquer tipo de retorno, Michelle sugere que se pergunte se está no ambiente certo.

“Os funcionários precisam de feedback e saber como estão fazendo seu trabalho. Tenho visto gerentes, cujo estilo é: se você não está ouvindo nada de mim é porque está fazendo um bom trabalho. Não concordo com esse modelo de gestão. Na verdade, gostaria de enviar esse gerente para um treinamento em gestão”, diz a executiva.

Você deve tentar abrir um diálogo com o seu chefe a fim de definir um cronograma para autoavaliação. “Tente falar com seu chefe em reuniões mensais. Peça orientação”, recomenda Myers. No entanto, se ele ou ela se recusar a ceder, os especialistas concordam, que é sinal para você analisar se não está na hora de buscar outras oportunidades.

O mesmo acontece quando você se candidata a novo trabalho. “Se você está realizando uma tarefa e seu chefe diz: “esqueça, isso é desperdício de tempo`, sugiro que busque outro emprego. Quem quer um chefe que se recusa a dar feedback e orientação durante todo o ano?”, questiona Myers .

Fonte: http://cio.com.br/carreira/2014/11/26/dez-recomendacoes-para-a-autoavaliacao-profissional/

Sou bacharel em Sistemas de Informação pela Estácio de Sá (Alagoas), especialista em Gestão Estratégica da Tecnologia da Informação pela Univ. Gama Filho (UGF) e pós-graduando em Gestão da Segurança da Informação pela Univ. do Sul de Santa Catarina (UNISUL). Tenho interesse por todas as áreas da informática, mas em especial em Gestão, Segurança da Informação, Ethical Hacking e Perícia Forense. Sempre disposto a receber sugestões de assuntos para criar uma postagem.

2 Responses to “Dez recomendações para a autoavaliação profissional”

  1. Antonio Barbosa disse:

    Diego,
    Comecei a estudar para concursos há pouco tempo e achei o trabalho que você fez aqui de criar resumos e mapas mentais de diversos assuntos muito bom. Obrigado pelo esforço! A qualidade dos posts é muito boa e os mapas mentais ajudam muito a revisar os assuntos. Espero que voce continue com esse trabalho e como sugestão, acho que além da organização padrão do blog você poderia criar uma página com os mapas mentais organizados em uma lista. De toda forma, obrigado pelo material e parabéns! Abraço!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Quer ficar atualizado?

Inscreva-se em minha newsletter e seja notificado quando eu publicar novos artigos de graça!