Descoberta rede de ciberespionagem que atinge o Brasil

image_pdfimage_print

Pesquisadores de segurança anunciaram nesta segunda (14) a descoberta uma rede global de ciberespionagem atuando contra centenas de organizações diplomáticas, governamentais e científicas em quase 40 países, incluindo o Brasil – onde pelos menos quatro sistemas foram infectados.

A megaoperação foi chamada de Operação Outubro Vermelho (em homenagem ao filme “Caçada ao Outubro Vermelho”) pelos experts da Kaspersky Lab, responsáveis pela descoberta. Segundo a empresa, ela está em ação desde 2007. O esquema utiliza mais de 1 000 módulos distintos, customizados para alvos específicos. Esses componentes são direcionados para alvos como PCs individuais, equipamentos de rede da Cisco, smartphones e até pendrives.

De acordo com os experts, a operação também utiliza um complexo sistema de servidores de comando e controle (C&C), semelhante ao utilizado pelo malware Flame, que espionou o Irã. Os atacantes criaram mais de 60 domínios e usaram vários hosts em diferentes países, principalmente Rússia e Alemanha.

“É um exemplo incrível de uma campanha de espionagem no ar há anos”, escreveu o pesquisador Kurt Baumgartner, da Kaspersky. “Nunca vimos esse nível de individualização dos ataques”.

redoct

A empresa diz que o principal objetivo da Outubro Vermelho é coletar informações secretas e geopolíticas – de empresas e governos.

Ainda não se sabe quem está por trás da operação. Embora os autores do malware sejam russos (o principal idioma nos códigos principais), muitos dos exploits foram desenvolvidos na China.

O esquema utiliza códigos que atacam falhas no Word e Excel. Os atacantes enviavam e-mails individualizados, que contaminavam o sistema silenciosamente.

Na lista dos países atingidos, a Federação Russa aparece em primeiro, seguida pelo Cazaquistão, Azerbaijão, Bélgica, Índia, Afeganistão, Armênia e Irã. Ao todo, máquinas de 39 países, Brasil incluído, foram contaminadas.

A infraestrutura de espionagem é complexa. Os servidores C&C primários enviam os dados roubados para uma segunda camada de servidores, que os mandam para uma máquina central – sobre a qual ainda não se sabe nada. Segundo a Kaspersky, a habilidade dos controladores em esconder a identidade é parecida com a dos criadores do Flame – vírus que teria sido desenvolvido nos EUA e Israel para espionar o Irã.

“A operação Outubro Vermelha está em operação há pelo menos 5 anos, sem ser detectada”, escreveu Baumgartner.

Descoberta rede de ciberespionagem que atinge o Brasil – Notícias – CIO.

Sou bacharel em Sistemas de Informação pela Estácio de Sá (Alagoas), especialista em Gestão Estratégica da Tecnologia da Informação pela Univ. Gama Filho (UGF) e pós-graduando em Gestão da Segurança da Informação pela Univ. do Sul de Santa Catarina (UNISUL). Certificações que possuo: CompTIA Security+, EXIN EHF, MCSO, MCRM, ITIL v3. Tenho interesse por todas as áreas da informática, mas em especial em Gestão e Governança de TI, Segurança da Informação, Ethical Hacking e Perícia Forense.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Quer ficar atualizado?

Inscreva-se em minha newsletter e seja notificado quando eu publicar novos artigos de graça!