Como interpretar os editais de concurso do jeito certo

image_pdfimage_print

Como interpretar os editais de concurso do jeito certo

Respondido por Flavio Martins, diretor pedagógico dos cursos preparatórios para carreiras jurídicas do Damásio Educacional

O edital é a lei do concurso público, dizem os especialistas. Por isso, é de suma importância que o “concurseiro” se dedique à sua leitura.

É necessário atenção redobrada na observação de todos os itens, subitens, tabelas e outras informações do edital, pois o esquecimento de algumas delas pode resultar na não aprovação do candidato. Confira quais as etapas para apreender as principais informações do edital:

1ª etapa: Leitura informativa

Essa primeira leitura tem o objetivo de confirmar se o concurso está dentro da área de interesse do leitor. Deve-se, nesse momento, extrair as seguintes informações:

  • Qual órgão está realizando o concurso (federal, estadual ou municipal; do Executivo, Legislativo ou Judiciário)?
  • Quais cargos estão sendo oferecidos? (de nível médio ou superior? Quais as atribuições conferidas ao cargo?)
  • Quais as remunerações e os locais de trabalho?

2ª etapa: Leitura decisiva

Se o concurso contemplar sua área de interesse, o leitor deve fazer a segunda leitura do edital e, dessa vez, focar em informações que o ajudarão a decidir pela inscrição ou não.

  • Qual é a data e o local da prova?
  • Quantas fases compõem o concurso?
  • Conteúdo programático, isto é, quais matérias serão exigidas na prova?

Leitura estratégica

Essas informações possibilitarão ao “concurseiro” verificar se as provas não coincidirão com outros concursos que lhe pareçam mais interessantes ou nos quais já esteja inscrito, além de verificar se o acesso ao local de prova não é muito custoso e se as matérias cobradas são compatíveis com os seus estudos e se ainda terá tempo para estudar e revisar todo o conteúdo.

Feita a inscrição no concurso, é chegada a hora da mais importante leitura do edital. Nessa oportunidade, devem ser extraídas as informações para o efetivo preparo do candidato:

  • Número de questões de cada matéria
  • Forma de contagem de pontos
  • Matérias, tópicos e subtópicos

É necessário criar uma estratégia de preparação para cada concurso. Estudar às cegas, sem preparo, sem objetivos claramente traçados, sem um programa de estudos, pode ser custoso e ineficaz. O candidato deve saber exatamente a quantidade de questões de cada matéria e o respectivo peso de cada uma delas (já que algumas disciplinas podem ter questões mais ou menos importantes) e, principalmente, a forma de cálculo da nota final.

Com essas informações, o candidato deve criar um programa de estudos, tentando abordar todos os temas que constam do edital, priorizando aqueles de maior importância e maior peso nesse concurso. Isso, sim, poderá ser um diferencial.

Na reta final

Estabelecido o programa, é importante que o candidato conheça as provas anteriores realizadas pela organizadora do respectivo concurso.

Fonte: EXAME

 

Sou bacharel em Sistemas de Informação pela Estácio de Sá (Alagoas), especialista em Gestão Estratégica da Tecnologia da Informação pela Univ. Gama Filho (UGF) e pós-graduando em Gestão da Segurança da Informação pela Univ. do Sul de Santa Catarina (UNISUL). Tenho interesse por todas as áreas da informática, mas em especial em Gestão, Segurança da Informação, Ethical Hacking e Perícia Forense. Sempre disposto a receber sugestões de assuntos para criar uma postagem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Quer ficar atualizado?

Inscreva-se em minha newsletter e seja notificado quando eu publicar novos artigos de graça!