Como as provas discursivas são corrigidas

O método de correção das provas aplicadas pelo Cespe/UnB busca diminuir a subjetividade na avaliação dos textos dos candidatos

[Ciléia Pontes] Da Assessoria Técnica de Comunicação

Etapas importantes em concursos públicos e procecessos seletivos, as provas discursivas e de redação costumam deixar muitos candidatos apreensivos, pois exige a elaboração de respostas, diferentemente das provas objetivas. Por não terem uma resposta totalmente definida, a correção desses exames segue critérios mais abrangentes do que os utilizados para a correção das provas objetivas. Ao longo dos anos, o Cespe/UnB vem investindo em tecnologias e métodos que possibilitam maior objetividade nas correções.

Em geral, as provas discursivas são elaboradas para avaliar a capacidade de escrita do candidato e o domínio do assunto questionado. “Fazemos as provas de acordo com o perfil do cargo vago que se pretende ocupar. Em geral, em uma prova discursiva busca-se aferir não somente o domínio do conteúdo, mas também a capacidade de articulação de raciocínio e de expressão do candidato”, explica o assessor de Planejamento do Cespe/UnB, Marcus Vinícius Soares. Ele acrescenta que o candidato não precisa temer a prova, mas é preciso estar preparado. Para julgar o desempenho do candidato em provas discursivas e redações, desde 1997, o Cespe/UnB vem aperfeiçoando um sistema eletrônico criado pela própria instituição para a correção on line desses tipos de exames, que até então eram corrigidos manualmente. Os critérios de correção são elaborados de acordo com o tipo de prova e de modo a possibilitar maior objetividade na atribuição de nota ao texto apresentado. “Os corretores devem se basear na planilha de correção definida para aquela prova. Para isso, eles recebem treinamento específico para cada exame”, explica a responsável pela Coordenadoria de Pesquisa em Avaliação do Cespe/ UnB, Girlene Ribeiro de Jesus.

Como funciona

O sistema utilizado pelo Centro para a correção de provas discursivas e redações permite que os textos sejam avaliados na tela do computador, o que possibilita o acesso de corretores localizados em qualquer unidade da Federação, desde que seja feito a partir de locais pré- definidos que tenham acesso à internet. “A correção é mais rápida e segura, pois há um controle maior da forma como as provas são corrigidas. Além disso, é um processo ecologicamente correto, porque evita o uso de papéis”, reforça Girlene de Jesus.

Para que possam ser corrigidas, as provas são digitalizadas e desidentificadas, ou seja, os nomes dos candidatos são suprimidos das folhas e eles passam a ser identificados por um código. Assim, os corretores não ficam sabendo quem são os autores dos textos, o que garante a isonomia na correção. Após a digitalização, os textos são colocados no sistema, acessados por meio de um sistema seguro de login e senha e analisados de acordo com a planilha de correção definida pela banca. “Nessa planilha, estão especificados os critérios a serem analisados. Cada item marcado pelo corretor contabiliza os pontos obtidos pelo candidato e atribui a nota que ele receberá”, comenta a consultora em Língua Portuguesa do Cespe/UnB, Poliana Alves. O sistema permite ainda que os corretores sejam monitorados de forma virtual, em que é possível verificar a hora em que acessaram o sistema, quanto tempo utilizaram em cada prova e as notas atribuídas.

Avanços

Em 2009, novos procedimentos de acompanhamento das correções foram desenvolvidos e aplicados na correção das redações do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Todo o processo foi acompanhado em tempo real por supervisores e coordenadores, que verificavam se o corretor estava analisando a prova de acordo com o que foi definido no treinamento recebido. “Se houvesse desvios do padrão de correção, os corretores eram contatados pelos supervisores, que verificavam o que estava havendo”, revela Girlene de Jesus.Para garantir a qualidade e o cumprimento do padrão de correção, o Cespe/UnB desenvolveu metodologias baseadas em pesquisas realizadas durante o treinamento dos corretores, o que resultou em testes aplicados à banca. Um exemplo foi a utilização da “redação nota 10” no processo de correção das redações do Enem 2009. Um texto considerado excelente pelo Centro, e que obedecia a todos os critérios exigidos dos candidatos, era enviado aos corretores de forma aleatória. Caso fosse atribuída uma nota abaixo do que era esperado para a redação, o corretor era contatado.

“Com isso, nós poderíamos verificar se o corretor estava seguindo os padrões de correção conforme as orientações recebidas”, destaca Poliana Alves.

Outro exemplo é o envio da mesma redação várias vezes aos corretores, para verificar se eles confirmam as notas atribuídas ao texto nas outras ocasiões. Além desses, outros testes são aplicados durante o processo de correção, que são mantidos em sigilo para garantir a eficácia. Poliana Alves explica que um procedimento foi obrigatório: “Todas as redações do Enem passaram por duas correções. Quando houve divergências entre elas, a prova foi analisada por um terceiro corretor”, enfatiza. A ideia agora é que os avanços no acompanhamento e avaliação da correção, conquistados no processo do Enem 2009, sejam aperfeiçoados e implantados em outros eventos – concursos, seleções e avaliações educacionais – realizados pelo Cespe/UnB. “Queremos ter instrumentos específicos para todas as provas discursivas utilizados em outros processos”, explica o professor responsável pela área de Provas Práticas, Luiz Mário Couto.Outra vantagem do sistema é a capacidade de suportar o acesso de muitos corretores simultaneamente, evitando falhas na transmissão das informações. O responsável pela Coordenadoria de Tecnologia do Cespe/UnB,

Jorge Amorim Vaz, afirma que o sistema possui uma capacidade de transmissão de dados que pode chegar a 100 megabytes. “Em eventos como o Enem 2009, que teve mais de dois milhões de candidatos e exigiu muitos corretores, foram utilizados 42 megabytes do total da nossa capacidade. Assim, o sistema consegue suportar com tranquilidade o acesso simultâneo dos corretores”, diz.

Sou bacharel em Sistemas de Informação pela Estácio de Sá (Alagoas), especialista em Gestão Estratégica da Tecnologia da Informação pela Univ. Gama Filho (UGF) e pós-graduando em Gestão da Segurança da Informação pela Univ. do Sul de Santa Catarina (UNISUL). Tenho interesse por todas as áreas da informática, mas em especial em Gestão, Segurança da Informação e Perícia Forense. Sempre disposto a receber sugestões de assuntos para criar uma postagem.

Deixe um comentário