Cibercrime custa R$ 16 bi por ano no Brasil

image_pdfimage_print

São Paulo — O Brasil é, empatado com a Índia, o terceiro país que mais perde com crimes digitais, atrás apenas da China e dos Estados Unidos. Essa é uma das conclusões do estudo Norton Cybercrime Report 2012, da Symantec. Nas contas da empresa, o país perde 16 bilhões de reais por ano com crimes digitais.

A pesquisa teve a participação de 13 mil adultos com acesso à internet em 24 países. A Symantec diz que as perdas somam 220 bilhões de reais nesses países, que é o valor que os americanos gastam anualmente com fast food. A empresa estima que 556 milhões de pessoas são vítimas de crimes digitais por ano, o que equivale a 18 ocorrências por segundo. 42% delas são casos de fraude; e, 17%, de roubo de informações. Cada ataque geraria um prejuízo médio de quase 400 reais.

Empresas de segurança costumam produzir relatórios como esse para amedrontar os usuários e convencê-los a comprar seus produtos. Mas a Symantec enfatiza que as principais falhas que viabilizam os crimes são de comportamento. O estudo aponta que as pessoas estão mais conscientes das ameaças tradicionais, como os vírus.

89% delas apagam mensagens suspeitas de remetentes desconhecidos. 83% têm pelo menos um antivírus básico no computador. E 78% evitam abrir arquivos anexos ou clicar em links incluídos em mensagens de origem desconhecida. Mas os criminosos têm explorado dispositivos móveis e redes sociais para surpreender as vítimas.

A Symantec vê riscos nas vulnerabilidades dos dispositivos móveis, que dobraram de 2010 para 2011. Outra chance para os criminosos está nas redes Wi-Fi desprotegidas, usadas por dois terços dos participantes da pesquisa.

Dados pessoais enviados por e-mail – uma forma de comunicação notoriamente insegura – também criam oportunidades para o crime. E há o eterno problema das senhas fáceis de adivinhar, que 40% das pessoas admitem usar. Apesar de os especialistas alertarem, há muitos anos, que as senhas devem ser complexas e precisam ser trocadas periodicamente, muitos ainda adotam uma palavra simples para acesso a sites da web.

Fonte: INFO

Sou bacharel em Sistemas de Informação pela Estácio de Sá (Alagoas), especialista em Gestão Estratégica da Tecnologia da Informação pela Univ. Gama Filho (UGF) e pós-graduando em Gestão da Segurança da Informação pela Univ. do Sul de Santa Catarina (UNISUL). Tenho interesse por todas as áreas da informática, mas em especial em Gestão, Segurança da Informação, Ethical Hacking e Perícia Forense. Sempre disposto a receber sugestões de assuntos para criar uma postagem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Quer ficar atualizado?

Inscreva-se em minha newsletter e seja notificado quando eu publicar novos artigos de graça!