6 previsões para Business Intelligence em 2012

Quando estabelecemos as regras para o novo ano em nossa casa, temos a tendência de ajustá-las em poucas semanas a fim de descobrir o que é um pensamento positivo, desejoso versus o exequível. Então colocamos a lista no armário da cozinha sobre o papel com as regras do ano passado. É sempre uma risada, às vezes, uma inspiração quando comparamos à nova lista com a do ano anterior.

Com esta abordagem em mente, aqui está um olhar para as tendências top de BI:

Análise In-Memory

A tecnnologia In-Memory esteve no centro do palco em 2011, com a sua capacidade de fornecer a velocidade da análise do pensamento em quantidades de dados cada vez maiores. A aplicação de memória da SAP, HANA, se tornou disponíveis em junho. A Oracle anunciou mais tarde o seu aparelho in-memory, Exalytics, durante a conferência Oracle Open Mundial, em outubro. O aparelho combina capacidades de memória em banco de dados TimesTen com novas capacidades de descoberta visual. Ele era esperado para ser lançado no final do ano passado, mas ainda não está disponível, e a Oracle ainda tem de fornecer uma atualização sobre os planos de lançamento. A IBM Cognos lançou o seu modo de consulta dinâmica, ou na memória, para bancos de dados relacionais, no outono passado. A SAS também começou a apoiar o in-memory como parte de suas soluções de indústria.

Neste ano, as grandes empresas podem adotar gradualmente aparelhos high-end, como Hana e Exalytics, mas a maioria dos clientes vai continuar a abraçar soluções de fabricantes como a QlikTech, Microsoft (Power Pivot) e Tableau ou apenas software de soluções, tais como a abordagem da MicroStrategy e IBM Cognos. A Microsoft lançará uma nova versão do PowerPivot com melhor segurança e suporte para hierarquias, capacidades que deixam a desejar na versão atual.

Descoberta Visual

Descoberta visual e in-memory não são sinônimos, apesar de alguma confusão da indústria e o fato de que muitas ferramentas de descoberta visual têm um mecanismo in-memory. A MicroStrategy entrou nesse mercado no ano passado com o seu produto Visual Insight. Ambos, QlikTech e TIBCO Spotfire, lançaram novas versões de seus produtos para o final de 2011 com áreas um pouco diferente do foco. QlikTech apresentou colaboração e análise comparativa. A última versão da TIBCO Spotfire simplifica o design do painel e, ao mesmo tempo, melhora a colaboração. O Tableau 7 foi lançado esta semana, trazendo melhorias na visualização, bem como posicionabilidade da empresa.

O visual discovery será um forte segmento em 2012. SAS (Visual Analytics Explorer), IBM Cognos, Oracle (Exalytics) e Microsoft (Crescent) estão todos visualizando as características da descoberta visual que virá neste ano. Com a plataforma BI os fornecedores estão liberando recursos e, em alguns casos, os agregando com licenças existentes, os clientes continuarão a lutar com os benefícios distintos das novas ferramentas (Tableau, QlikTech, TIBCO Spotfire).

Os clientes têm de avaliar atentamente quais são as exigências e qual produto é mais adequado: há uma recompensa no apelo visual, no autosserviço sem envolvimento de TI, ou no rápido tempo de valor?

Big Data

Tanto in-memory quanto visual discovery têm um papel a desempenhar com big data. Assim, também, fazer aplicações de data warehouse, colunar databases e, claro, apoiar mais amplamente os bancos de dados NoSQL, como Hadoop e Cassandra. Tivemos mais um ano movimentado de aquisições em 2011 com a HP adquirindo a Vertica e a Teradata comprando a Aster Data. Sem dúvida, algumas dessas aquisições foram dirigidas pelos movimentos de aquisições em 2010, como a compra da Netezza pela IBM e da Greenplum pela EMC.

O número de fornecedores de ferramentas de BI estão dando mais suporte para o Hadoop, incluindo Pentaho 4, JasperSoft 4.5 e Tableau 7, lançado esta semana. Além disso, uma nova categoria de ferramentas de BI especificamente para Hadoop parece estar a emergir com startups, como Datameer e Karmasphere.

Splunk, que ajuda as empresas a coletar e analisar dados gerados por máquinas, fez uma série de nomeações de executivos, alimentando a especulação de um IPO em 2012. Também no reino de machine data, o evento SAP BusinessObjects lançado em 2011, trazendo feeds de dados em tempo real para a plataforma de BI.

No próximo ano, espera-se que os fornecedores líderes de BI continuem a adicionar suporte para o Hadoop. Não procure por uma bala de prata ou uma abordagem única para enfrentar suas necessidades de big data.

Mobile BI

Todos os fornecedores de BI são anunciando o mobile BI como a próxima grande onda. Mas eles continuam a discutir sobre as abordagens de desenvolvimento, qual o conteúdo para cada dispositivo e, claro, onde colocar as apostas de market share. A Apple e os dispositivos Android têm constantemente corroído a dominância do BlackBerry nas corporações. O tão esperado BlackBerry Playbook foi um fracasso e as interrupções de serviço piorou o declínio do BlackBerry. Enquanto isso, alguns clientes ainda estão dizendo “que se preocupam com BI Mobile”.

Espera-se que a confusão e o ceticismo continuem em 2012. A capacidade de mobile BI continuará a melhorar, com mais fornecedores de BI adotando seus aplicativos para que os tablets suportem o modo off-line ou de avião, além de apresentarem melhor segurança e melhor desempenho. Os fornecedores que têm uma abordagem somente de aplicativo web irá revisá-lo para oferecer aos clientes uma melhor experiência móvel. O declínio de planos de dados ilimitados vai levantar demandas para um melhor cache baseado em dispositivo.

A BlackBerry enfrenta uma fase ainda mais difícil em 2012. Quem pode resgatá-la? Qual fornecedor BI será o primeiro a parar de desenvolver nessa plataforma? Eu não posso ajudar, mas pergunto se 2012 será o ano em que a BlackBerry será adquirida ou então terá uma morte lenta. Eu sentirei falta do meu teclado. E a Microsoft finalmente irá avançar neste mercado?

Cloud BI

Muitos fornecedores estão divulgando a nuvem como uma maneira de reduzir os custos de hardware e fornecer elasticidade durante os tempos de pico de computação. Para as PMEs, em particular, nuvem BI fornece a promessa de uma implementação mais fácil, sem a preocupação de ter que primeiro estabelecer uma infraestrutura de BI. Para ter certeza, a computação em nuvem, em geral, tem ganhado aceitação de certas áreas funcionais. Pense na folha de pagamento ou RH ou CRM. Mas, em BI, a história é diferente. Os clientes ainda estão preocupados com o desapego dos seus dados. Historicamente, tem havido trocas de funcionalidade com soluções de BI baseadas em cloud.

Vimos também a MicroStrategy entrar na nuvem em 2011. O Microsoft Azure ganhou força como uma plataforma de nuvem e inclui capacidades de BI, bem como um mercado de dados de terceiros. A SAP anunciou ter intensificado as iniciativas nesta área, em parceria com o Google e agora incorporando Hand na BusinessObjects. A YellowFin, uma startup na Austrália, criou uma arquitetura ideal para os fornecedores de SaaS OEM. Domo (anteriormente conhecido como Corda) está recuando a ser mais focada em SaaS. Outros fornecedores SaaS, como PivotLink e Indicee continuam a ganhar clientes.

Então, em 2012, a discussão passará de “cloud no local” para “o que colocar na nuvem.” Produtos de BI que são mutlitenant terão um pé nos clientes corporativos que querem uma combinação de abordagens e para as PMEs que querem ter a solução cloud.

Social, BI colaborativo

A mídia social é o novo software e campo de batalha do marketing. O Google lançou o Google+ como uma alternativa ao Facebook, atingindo 50 milhões de usuários em três meses. O Facebook ultrapassou 800 milhões de usuários e até mesmo os debates presidenciais republicano estão agora interligados com o Facebook. Então, o que é que isto tem a ver com BI? Como uma forma de trabalhar, de conteúdo orientado para o utilizador sem a TI como tomador de decisões cada vez mais assumido.

A capacidade de colaboração continua a cruzar o BI, mas à frente da demanda do cliente. Lyzasoft, um dos fornecedores especializados, teve o lançamento de uma grande novidade para 2011, mas ainda está tentando encontrar seu fundamento. Enquanto isso, a QlikTech, TIBCO Spotfire e Panorama lançaram novas versões com capacidades de colaboração.

Os fornecedores estão inovando, mas os clientes estão adotando? Não há dúvida de que a Microsoft SharePoint 2010 tem sido um produto de sucesso do portal. Mas tente encontrar clientes que estão usando os recursos de colaboração em torno de BI.

BI além da Tecnologia

Os fornecedores podem inovar, mas é claro que é preciso mais do que software de BI para ser bem sucedido. Mesmo com a economia em dificuldades, o talento de BI é escasso. Empresas seriam sensatas em investir no desenvolvimento interno de pessoal especializado em BI, já que será difícil recrutar talentos. As universidades precisam continuar a expandir seus programas para a criação de analistas de dados.

Fonte: Information Week

Sou bacharel em Sistemas de Informação pela Estácio de Sá (Alagoas), especialista em Gestão Estratégica da Tecnologia da Informação pela Univ. Gama Filho (UGF) e pós-graduando em Gestão da Segurança da Informação pela Univ. do Sul de Santa Catarina (UNISUL). Certificações que possuo: CompTIA Security+, EXIN EHF, MCSO, MCRM, ITIL v3. Tenho interesse por todas as áreas da informática, mas em especial em Gestão e Governança de TI, Segurança da Informação, Ethical Hacking e Perícia Forense.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Quer ficar atualizado?

Inscreva-se em minha newsletter e seja notificado quando eu publicar novos artigos de graça!