5 dicas para ser o chato do trabalho

image_pdfimage_print

São Paulo – Não está no plano de carreira de nenhum profissional ganhar o título de “chato do trabalho”. Mas, vez ou outra, isso pode acontecer. Seja por uma fase ruim ou, no pior dos cenários, por um traço de personalidade mesmo.

O problema da conquista deste título está nas consequências que a fama de chato pode trazer no longo prazo. “É fatal”, afirma José Augusto Figueiredo, vice-presidente da LHH|DBM América Latina. “A competência é sempre avaliada pela maneira como a pessoa se expressa. Um chato, geralmente, não se expressa bem. Se você é chato como irá mobilizar e inspirar as pessoas?”.

Confira quais os passos para ganhar a reputação  de chato do trabalho. Ou para os mais sensatos, como fugir dela.

1. Reclame de tudo

Do café ao chefe, passando pela tarefa que você recebeu até a entrada servida no almoço. Ter sempre um comentário negativo com relação a tudo que passa diante dos seus olhos é o passaporte perfeito para ganhar o título de chato do trabalho. E de quebra, manter o universo bastante afastado de você.

“A pessoa é amarga, antipática e vive sempre em um estado de luta armada com todos que o rodeiam”, diz o consultor organizacional Eduardo Zugaib. “É aquela pessoa que sempre está com pedras nas mãos”. E que, com isso, obriga todos a agir como se estivesse pisando em ovos. O tempo todo.

2. Transforme a vida numa piada

Do mesmo modo que o mau humor afasta, o bom humor para além da conta, assusta. “É aquele profissional que sempre passa a linha do bom senso, arruma apelido para todo mundo, converte toda situação em piada e trata das situações cotidianas com ironias injustificadas que só irão apimentar as relações”, afirma Zugaib.

3. Fale demais

Por trás de todo prolixo está alguém com sérios problemas para perceber as pessoas ao seu redor. Ou em outras palavras: alguém que acredita, piamente, que o universo está em torno do próprio umbigo.

“Como é uma pessoa detalhista e perfeccionista, conta histórias com um elevado grau de detalhes e desconsidera a agenda das outras pessoas”, diz José Augusto Figueiredo, vice-presidente da LHH|DBM América Latina.

Em outros termos, este é o tipo de profissional extremamente egoísta e, até, narcisista. “Ele está preso ao que acredita e ao que quer, não é capaz de entrar na sua agenda, checar o que o outro está precisando para hoje. Não escuta e, por isso, não pode fazer essas relações”, diz o Figueiredo.

4. Busque todos os holofotes

Ser proativo sempre rende pontos para sua trajetória profissional. Mas, acredite, até para isso há limites. O problema é que muita gente não tem noção da necessidade deste equilíbrio e, por isso, segundo Figueiredo, facilmente, viram alvo da comoção negativa da companhia inteira.

“É aquela pessoa que, incansavelmente, busca aparecer. Que banca o mais esperto e quer sempre levar vantagem”, afirma o especialista. “É aquele que espera todos sentar para sentar ao lado do presidente”.

5. Peça feedback – o tempo todo

Se um peca pela “segurança” (assim mesmo, estre aspas) exacerbada, outros erram por precisar o tempo todo que fontes externas contribuam para que ele se sinta seguro no trabalho. “É aquela pessoa que pede por feedback o tempo todo, que acha que é pouco valorizado”, diz Figueiredo.

De acordo com Figueiredo, na essência, tanto o chato estratégico (aquele que busca todos os holofotes para si) quanto o chato inseguro têm o mesmo problema: uma carência crônica de atenção e reconhecimento.

A diferença é que um reage da forma mais óbvia: mendigando por isso. Enquanto o outro diz: “espera aí que eu vou dar um jeito e transitar de formar a tirar vantagem de tudo e de todos”. De uma maneira que mais irrita do que assusta.

Fonte: Exame

Sou bacharel em Sistemas de Informação pela Estácio de Sá (Alagoas), especialista em Gestão Estratégica da Tecnologia da Informação pela Univ. Gama Filho (UGF) e pós-graduando em Gestão da Segurança da Informação pela Univ. do Sul de Santa Catarina (UNISUL). Tenho interesse por todas as áreas da informática, mas em especial em Gestão, Segurança da Informação, Ethical Hacking e Perícia Forense. Sempre disposto a receber sugestões de assuntos para criar uma postagem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Quer ficar atualizado?

Inscreva-se em minha newsletter e seja notificado quando eu publicar novos artigos de graça!