5 dicas para consultores de primeira viagem

image_pdfimage_print

Muitas pessoas que se destacam em suas áreas decidem atuar como consultores e é neste momento que enfrentam a dificuldade de se adaptar a este novo desafio e a mudança comportamental.

1 – Use a abordagem de acordo com seu público 
Adapte suas apresentações, expressões e explicações ao seu público, pois este pode variar de executivos até pessoal operacional. Um executivo não espera algo muito técnico e/ou prolongado, como também não faz muito sentido uma apresentação executiva para um público operacional. O segredo é dosar de acordo com seu público.

2 – Fale sempre sobre dos ganhos para seu cliente 
Seu cliente está esperando um retorno do seu trabalho, muitas vezes consultorias são encerradas no meio do caminho simplesmente por conta de não estarem sendo comunicados os ganhos no decorrer do trabalho. Você deve sempre “lembrar” seus clientes dos ganhos que eles irão obter com o que está sendo realizado. Faça um bom business case, inclua quick wins (ganhos rápidos), além de um plano de comunicação eficiente.

3 – Não seja totalmente by the book 

Lembre-se sempre que você está contratado para mostrar um melhor caminho ou solução e não para ser um repetidor de frases ou boas práticas. Os livros e boas práticas em uma consultoria são essenciais, mas a sua experiência e bagagem tem que estar atrelados aos mesmos e serem colocados em prática durante todo o seu trabalho, visando gerar valor ao seu cliente.

4 – Vista-se adequadamente 
Parece um tema até estranho de se abordar, pois muitas vezes não damos importância, mas lembre-se que você será observado o tempo todo. Antes de fazer a primeira visita a seu cliente, obtenha informações sobre como é o ambiente de trabalho do mesmo, muitas vezes este pode ser extremamente formal (ex.: ambiente jurídico), como também pode encontrar ambientes menos formais. Sua vestimenta deverá corresponder ao ambiente que você visitará.

5 – Cuidado com a linguagem informal
Devemos ter cuidados com jargões e gírias, pois estamos num país “continental” com culturas diferentes e isso pode ser interpretado como um inconveniente por conta de palavras e expressões mal interpretadas.

Fonte: Portal GSTI – Marcelo Gaspar

Sou bacharel em Sistemas de Informação pela Estácio de Sá (Alagoas), especialista em Gestão Estratégica da Tecnologia da Informação pela Univ. Gama Filho (UGF) e pós-graduando em Gestão da Segurança da Informação pela Univ. do Sul de Santa Catarina (UNISUL). Tenho interesse por todas as áreas da informática, mas em especial em Gestão, Segurança da Informação, Ethical Hacking e Perícia Forense. Sempre disposto a receber sugestões de assuntos para criar uma postagem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Quer ficar atualizado?

Inscreva-se em minha newsletter e seja notificado quando eu publicar novos artigos de graça!