10 perguntas que você pode (ou não) fazer numa entrevista

image_pdfimage_print

São Paulo — Ao se preparar para uma entrevista de emprego, é natural que você se preocupe bastante com as respostas que dará ao avaliador. Mas isso não é suficiente: também é preciso pensar nas perguntas que você fará a ele.

Especialistas em recrutamento são unânimes na percepção de que um candidato se diferencia não só pelo que afirma, mas também pelo que questiona ao longo de um processo seletivo.

“Ao mostrar curiosidade pela empresa e pela vaga, você transmite interesse, maturidade e visão a longo prazo ”, diz Patrícia Tourinho, gerente executiva da consultoria Michael Page. “É uma forma de dizer para a empresa que você está realmente interessado em trabalhar lá”.

De acordo com Roberto Santos, sócio-diretor da Ateliê RH, o objetivo de qualquer entrevista de emprego é abrir um canal de diálogo sincero entre as duas partes. Por isso, o candidato pode e deve fazer perguntas — até para medir seu grau de compatibilidade com a vaga.

Isso não dispensa uma boa dose de cautela na hora de formular os seus questionamentos. De acordo com Tourinho, é muito importante prestar atenção ao “quando” e ao “como” e não só ao “o quê”: dependendo do momento ou do seu tom de voz, a sua pergunta pode cair mal.

“O candidato pode soar inquisitivo ou agressivo, dependendo da forma como interpela o recrutador”, explica. “O ideal é avaliar qual é a finalidade de cada questionamento, para saber se ele cabe ou não naquele momento”.

Também é importante fazer uma leitura da personalidade do entrevistador, completa Santos. Enquanto alguns são mais abertos e descontraídos, outros preferem ter o controle da situação. Via de regra, vale esperar que o avaliador tome a iniciativa de perguntar se você tem alguma questão, ou aguardar até o fim da entrevista para tirar as suas dúvidas.

Veja a seguir alguns exemplos de questões obrigatórias e desnecessárias numa entrevista de emprego, de acordo com os especialistas consultados:

Perguntas obrigatórias

1. Qual será a expectativa do gestor em relação a mim?
Segundo Tourinho, é importante demonstrar interesse pela figura do seu futuro líder, buscando saber qual é o seu estilo e o que ele espera de sua equipe. A resposta a esses questionamentos será útil para avaliar se você realmente tem interesse em trabalhar para o gestor em questão.

2. Qual é a composição da equipe com que eu trabalharei?
Pergunte quais são as formações acadêmicas, experiências anteriores, graus de senioridade e métodos de trabalho dos seus futuros colegas ou subordinados. Além de trazer insumos valiosos para se integrar ao time caso você seja admitido, isso demonstrará que você está preocupado em cultivar bons relacionamentos no seu futuro ambiente de trabalho.

3. Quais são os desafios imediatos da companhia? E do cargo?
O conselho de Santos é pesquisar bastante sobre a empresa antes de ir para a entrevista, e ir munido de perguntas mais avançadas e específicas sobre o negócio. “Demonstre interesse pelo momento atual da empresa, e depois busque saber como a vaga que você pleiteia se relaciona com os objetivos estratégicos do negócio”, diz ele. “Isso mostra que você tem um interesse de longo prazo naquela organização, que pensa em fazer carreira lá”.

4. Quais são os valores da empresa?
Esta pergunta é importante porque revela que você não está interessado em conseguir um emprego apenas para pagar suas contas, diz Tourinho. Demonstrar curiosidade sobre o clima, a cultura e os princípios da empresa significa que você está preocupado em se alinhar a eles. “Dependendo da resposta, você também pode descobrir que aquele empregador não tem nada a ver com você e que é melhor buscar outra vaga”, ressalta a gerente da Michael Page.

5. Como é o perfil de quem tem sucesso na empresa? E de quem fracassa?
Complementares à questão anterior, estas perguntas são essenciais para avaliar a sua compatibilidade com o empregador. Os fatores que levam a promoções ou demissões, por exemplo, dizem muito sobre o que você pode esperar daquela empresa, afirma Santos. Além disso, a resposta dada pelo recrutador pode servir como um guia para a sua sobrevivência e crescimento na companhia, caso você seja contratado.

Perguntas desnecessárias

1. Consegui o emprego?
Segundo Tourinho, este tipo de pergunta deve ser evitado porque transmite impaciência e insegurança. Ao final da conversa, basta agradecer a oportunidade e se retirar. Além de constrangedor, o pedido por um feedback imediato dificilmente poderá ser atendido, já que o recrutador muitas vezes ainda não chegou a um veredicto sobre a sua candidatura.

2. Qual é o salário?
Não é proibido falar sobre remuneração em entrevistas de emprego, mas tudo tem o seu tempo. O ideal, de acordo com Santos, é deixar a negociação sobre valores para o final do processo seletivo. “Geralmente, é melhor esperar que o recrutador tome a iniciativa de falar sobre esse tema, ou então trazê-lo à tona de forma muito sutil”, explica. “Isso só não vale se você for uma ‘mosca branca’ no mercado e tiver todo o poder de barganha nas suas mãos”.

3. Vai haver promoção no fim do ano?
“É perfeitamente cabível perguntar se há um plano de crescimento definido na empresa, ou se uma vaga de gerente regional que hoje é para o Sudeste amanhã pode incluir outras regiões, por exemplo”, diz Tourinho. “Mas é preciso evitar um tom ansioso ou apressado demais”. Além de soar precipitado, você pode enviar o recado de que está interessado na vaga estritamente pelo salário ou pelo status que ela pode oferecer.

4. Quando poderei tirar férias?
Via de regra, também não cai bem mostrar que você está ansioso por descanso e lazer quando sequer começou a trabalhar na empresa. De acordo com a gerente da Michael Page, é melhor aguardar o momento certo de falar sobre férias, algo que normalmente acontece algum tempo depois da sua eventual admissão.

5. O boato x sobre a empresa é verdadeiro?
A entrevista de emprego não é o lugar adequado para fazer perguntas como: “Ouvi falar que a empresa será vendida para uma multinacional, é verdade?”. Segundo Santos, toda informação não confirmada sobre a companhia não passa de um boato — e não há veneno pior para a imagem de um candidato do que a aparência de fofoqueiro. “Faça apenas perguntas objetivas, sobre fatos concretos, ou você será muito mal-visto”, recomenda.

Fonte: http://exame.abril.com.br/carreira/noticias/10-perguntas-que-voce-pode-ou-nao-fazer-numa-entrevista

Sou bacharel em Sistemas de Informação pela Estácio de Sá (Alagoas), especialista em Gestão Estratégica da Tecnologia da Informação pela Univ. Gama Filho (UGF) e pós-graduando em Gestão da Segurança da Informação pela Univ. do Sul de Santa Catarina (UNISUL). Tenho interesse por todas as áreas da informática, mas em especial em Gestão, Segurança da Informação, Ethical Hacking e Perícia Forense. Sempre disposto a receber sugestões de assuntos para criar uma postagem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Quer ficar atualizado?

Inscreva-se em minha newsletter e seja notificado quando eu publicar novos artigos de graça!